A Bienal de Veneza é, há mais de 120 anos, uma das instituições culturais de maior prestígio do mundo. Fundada em 1895,  tem hoje um público de mais de 500.000 visitantes na Exposição de Arte.

A Bienal é uma ótima “desculpa” para visitar Veneza, aproveitando os voos que a TAP tem disponíveis.

Tema da exposição tem como base uma antiga maldição chinesa

A 58.ª Exposição Internacional de Arte, intitulada "May You Live In Interesting Times", irá realizar-se de 11 de maio a 24 de novembro de 2019. O título baseia-se numa antiga maldição chinesa que invoca períodos de incerteza, crise e turbulência. O curador da exposição é Ralph Rugoff, atualmente diretor da Hayward Gallery em Londres.

«O título desta exposição pode ser interpretado como uma espécie de maldição em que  a expressão “tempos interessantes” evoca a ideia de tempos desafiadores ou mesmo “ameaçadores”, mas também pode ser simplesmente um convite para ver sempre e considerar o curso dos acontecimentos humanos na sua complexidade, um convite, portanto, que parece ser particularmente importante nos tempos atuais em que, com demasiada frequência, a supersimplificação parece prevalecer, gerada pelo conformismo ou pelo medo», declarou o Presidente Paolo Baratta.

Locais de valor histórico que vale a pena visitar

O local principal da Bienal é Ca´Giustinian. Com vista para a bacia de São Marco, a sede da La Biennale di Venezia é um palácio histórico entre os mais representativos do estilo gótico tardio veneziano.

O palácio, originalmente chamado de "dei Giustinian", foi construído por volta de 1471 e é o resultado da união de dois edifícios diferentes: Giustinian e Badoer-Tiepolo. Foi objeto de importantes renovações entre 2008 e 2009. Os interiores do palácio são acessíveis mediante pedido e caracterizados por linhas essenciais e cores neutras combinadas com formas decorativas e cores típicas de design contemporâneo.

A partir do seu terraço tem vista para a Praça de São Marcos. Também tem um bar e cafetaria, para desfrutar de uma pausa entre exposições. As crianças também são bem-vindas no Kids Corner, onde podem brincar, relaxar, ler um livro ou participar nas atividades criativas propostas.

Palácio Giustinian
Palácio Giustinian créditos: Abxbay/D.P.

O Giardini della Biennale é o local tradicional de exposições de arte da Bienal desde a sua primeira edição em 1895. Localizado no lado leste de Veneza e construído no século XIX, foi o sucesso das primeiras edições (mais de 200.000 visitantes em 1895, mais de 300.000 em 1899) que desencadeou a construção de pavilhões internacionais a partir de 1907, que foram adicionados ao já construído Pavilhão Central. Os Giardini agora acolhem 29 pavilhões de países estrangeiros, alguns deles idealizados por arquitetos famosos como o Pavilhão da Áustria de Josef Hoffmann, o Pavilhão Holandês de Gerrit Thomas Rietveld ou o Pavilhão Finlandês de Alvar Aalto.

A Biblioteca da Bienal é desde 2009 parte integrante do Pavilhão Central de Giardini. A restauração foi concluída em 2010, com a abertura da grande sala de leitura, cercada por uma galeria de dois andares, com mais de 800 metros de prateleiras.

Giardini della Biennale
Giardini della Biennale créditos: Moonik /CC BY-SA 3.0

O Arsenale foi o maior centro de produção em Veneza durante a era pré-industrial e um enorme complexo de construção naval, onde as frotas de Sereníssima foram construídas e, portanto, um símbolo do poder económico, político e militar da cidade. Desde 1980, o Arsenale tornou-se num local de exposições da Bienal por ocasião da 1.ª Exposição Internacional de Arquitetura.

Arsenale
Arsenale créditos: Didier Descouens/CC BY-SA 4.0
Veneza desde 78€