Bilhete-postal enviado por Diana Gonçalves

Visitámos todos os monumentos Kodak da cidade - Museu do Louvre, Torre Eiffel, Avenida dos Champs Elysees, Arco do Triunfo, Basílica do Sacré Coeur, entre outros. Foram três dias fantásticos que permitiram apreciar um pouquinho da incrível beleza de Paris. No entanto, saí da cidade com um gostinho amargo...

O monumento que mais gostei na cidade e que tinha maior curiosidade era a Catedral de Notre-Dame de Paris. A imponência e sobriedade daquele monumento despertavam em mim um sentimento que não conseguia descrever. Estava em pulgas por conhecê-la, principalmente as vistas únicas da cidade através das torres e das suas gárgulas.

Fomos no primeiro dia visitar a catedral ao fim da tarde, pelas 18 horas. Queríamos ver o pôr-do-sol lá de cima. Estava uma fila grande mas nada de mais. Entrámos e demos a tradicional volta ao interior da Catedral. Que interior incrível!

Os 127 metros de comprimento e 35 metros de altura aparecem aos nossos olhos como uma visão aterradora. Consegue-se sentir o peso dos 853 anos naquela estrutura em estilo gótico.

Após a volta, dirigi-me a uma funcionária que vendia ingressos e artigos da Catedral para perguntar pela entrada das torres. Apenas respondeu que as torres estavam fechadas. Fiquei tristíssima.

No dia seguinte, voltámos ao local um pouco mais cedo - cerca das 17 horas, para tentar subir até as torres. Voltámos a esperar na fila para entrar na Catedral. Demos uma voltinha à Catedral, mas não encontrei a entrada para as torres.

Fui à mesma funcionária perguntar pela entrada das torres, mas voltou a responder que estava fechada. O horário era até às 17:30 horas! Com o tempo que perdemos na fila para entrar na Catedral estouramos com o horário das torres. Não acreditava que aquilo tinha acontecido de novo...

No dia seguinte lá voltámos nós para a Catedral, desta vez mais cedo. Eram cerca das 16:30 horas. Não tinha tanta fila para entrar (era segunda-feira) por isso perdemos pouco tempo aqui.

Entrámos, demos a volta à Catedral (não percebo até hoje porque fazíamos aquilo) mas continuei a não encontrar a entrada para as torres. Não ia perguntar à mesma pessoa das duas últimas vezes (já tinha vergonha). Fui a outra funcionária que indicou que a entrada para as torres era feita pelo exterior da Catedral, numa das laterais....

O quê? Andámos a perder tanto tempo para nada. Podíamos ter ido diretos para o local. Corremos para fora à procura da dita entrada. E lá estava ela com uma fila considerável para entrar. Mas não importava o tempo que demorasse. Tinha de subir! Quando estava a chegar ao fim da fila, vejo que a última pessoa era um funcionário com um cartaz metálico. Esse cartaz dizia que as torres fechavam às 17:30h, mas só aceitavam entradas até 45 minutos antes e que naquele momento já não entrava mais ninguém...

Aí chorei. Não podia acreditar que me ia embora e não ia conseguir subir às Torres da Catedral! Foi umas das maiores desilusões que tive. Dica para viajante da Catedral: ir de manhã.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.