Entre 12 a 14 milhões de pessoas - em média 35 mil por dia - visitam todos os anos esta obra-prima da arquitetura gótica, situada na Île de la Cité, no coração da Paris medieval.

A construção, iniciada em meados do século XII, durou cerca de 200 anos.

Durante a Revolução Francesa, a catedral sofreu vários atos de vandalismo, que resultaram na destruição da torre central, no furto de obras de arte e de outros tesouros e na destruição das grandes estátuas do pórtico.

Os revolucionários organizaram inclusive um "culto da razão" no dia 10 de novembro de 1793, pouco antes da proibição de celebrações católicas em Paris. Em seguida, a catedral acabou por ser transformada em armazém.

Reaberta aos cultos católicos em 1802, tornou-se na personagem central do romance "Notre-Dame de Paris", de Victor Hugo, publicado em 1831. Pouco depois, Eugène Viollet-le-Duc esteve à frente da restauração do edifício que durou cerca de duas décadas e onde trabalhou até morrer.

Notre-Dame conseguiu escapar ilesa às duas guerras mundiais, sendo que os seus sinos soaram para anunciar a libertação da capital francesa do domínio nazista no dia 24 de agosto de 1944.

Em 2013, os nove sinos gigantes da catedral foram substituídos. Já a torre central, que estava a ser reformada, caiu consumida pelas chamas esta segunda-feira, dia 15 de abril.

Duas mil missas por ano

O final da Segunda Guerra Mundial foi celebrado no interior da catedral, assim como o início do processo de beatificação de Joana d'Arc, o casamento de Henrique de Navarra, futuro Henrique IV, com Margarida de Valois, e a coroação de Napoleão I.

Mais recentemente,  a catedral foi palco de cerimónias fúnebres de chefes de Estado, como Raymond Poincaré e o general Charles De Gaulle, para além de grandes personalidades, como o poeta Paul Claudel e o abade Pierre.

A catedral, que também é um santuário mariano com status de basílica, mantém as suas funções como edifício religioso, com a realização de cinco missas diárias de segunda a sábado, e sete aos domingos. Se se incluirem as festas e eventos excecionais, são realizadas mais de duas mil missas por ano.

Notre-Dame é também o ponto de referência quilométrico de todas as rodovias nacionais que partem de Paris.

Nos últimos anos, o prédio viveu de perto as tragédias que aconteceram no país. Os sinos de Notre-Dame tocaram no dia seguinte ao homicidio dos jornalistas e caricaturistas do jornal Charlie Hebdo em janeiro de 2015.

As principais autoridades civis e religiosas estiveram no local em 2016 para prestar homenagem ao padre Jacques Hamel, degolado por dois extremistas numa igreja próxima a Rouen, no norte.

Em setembro de 2016, foi encontrado perto da catedral um carro carregado com cilindros de gás, deixado no local por um grupo de três mulheres militantes do grupo extremista Estado Islâmico.

Em junho de 2017, um extremista que atuava "em nome da Síria" atacou um polícia na praça em frente à catedral.

Fonte: AFP

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.