"Este documento permite-me ter os mesmos direitos que os locais", explica à agência Lusa o português, de 44 anos, e ‘chef’ de cozinha num hotel de cinco estrelas em Pequim.

A China emite apenas algumas centenas de ‘green cards' por ano, sobretudo para investidores estrangeiros ou profissionais altamente qualificados em setores-chave para o país.

Até 2017, apenas 10.000, dos cerca de um milhão de estrangeiros a viver no país, tinham obtido aquela autorização de residência, que é válida por dez anos.

A física norte-americana Joan Hinton, uma das poucas mulheres cientistas que participou no Projeto Manhattan, que produziu as primeiras bombas atómicas, foi a primeira estrangeira a receber uma autorização de residência permanente do Governo chinês, em 2004.

Hinton viveu no país durante mais de 50 anos, após a fundação da República Popular, em 1949.

A embaixada portuguesa em Pequim disse à Lusa não ter registo de outro português que tenha obtido aquele documento. Já o consulado português em Cantão, sul da China, contabilizou apenas um caso.

Com cerca de 1.400 milhões de habitantes, o país asiático é, tradicionalmente, um dos maiores emissores do mundo de população emigrante. Segundo dados da ONU, o número total de emigrantes chineses ronda os 50 milhões.

Mas a posição da China nos fluxos migratórios mundiais tem-se alterado, à medida que três décadas de rápido desenvolvimento converteram o país na segunda maior economia mundial, atraindo pessoas de todo o mundo.

Dados consulares apontam para mais de 1.100 portugueses a residir na China continental, em 2016.

Paulo Quaresma destaca "uma certa liberdade", já que deixou de depender do visto de trabalho, emitido através da entidade patronal, para permanecer na China.

"Fica tudo mais simples", descreve. "Não preciso renovar o visto todos os anos e até para uma empresa me contratar já não é uma carga de trabalhos", nota.

Os titulares do ‘green card' têm os mesmos direitos que os cidadãos chineses em áreas como educação, segurança social, mercado imobiliário, negócios ou mercado de trabalho.

Com mais de 20 anos de profissão, o 'chef' português chegou a Pequim em 2010 para dirigir a cozinha do "Camões", restaurante aberto num hotel de cinco estrelas do centro de Pequim, propriedade de um magnata de Macau.

Entretanto, casou com uma mulher chinesa, com quem teve dois rapazes.

Apesar de as autoridades chinesas priorizarem profissionais estrangeiros em centros de pesquisa ou empresas de alta tecnologia considerados "chave" para o desenvolvimento da China, o processo de Quaresma acabou por ser mais rápido e simples do que o previsto.

"Estava estimado durar entre um e dois anos, e durou seis meses. Disseram que eventualmente me iam ligar para entrevistas, mas nunca ninguém me contactou", conta.

O programa está também aberto a estrangeiros casados com cidadãos chineses há pelo menos cinco anos.

"Os ‘green card' são destinados a pessoas muito inteligentes", reconhece Paulo Quaresma. "E eu fui inteligente em ter casado com a minha mulher".

Fonte: Lusa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.