“Dispomos de uma reserva de bois, aos quais nos dedicamos com um cuidado desmesurado, tudo para conseguir a carne perfeita”, é desta forma que o restaurante El Capricho se apresenta ao mundo no Instagram.

“Aqui vão encontrar a melhor carne do mundo”, escrevem publicações conceituadas como a revista Time e o jornal The Guardian, que colocaram a carne deste espaço na lista das 50 melhores coisas do mundo para comer. No catálogo da Netflix, podem ainda encontrar um documentário francês chamado '(R)evolução da Carne'. Mesmo ao lado do restaurante, há uma quinta com mais de 150 raças de bois ibéricos, incluindo a portuguesa Barrosã.

Se para os jornalistas da Time (EUA) e The Guardian (Reino Unido) Jimenez de Jamuz fica muito longe, para os portugueses a distância não é um problema, uma vez que esta pequena localidade fica na província de León, no norte de Espanha. Os que vivem no Grande Porto vão demorar apenas cerca de três horas para lá chegar, mas se estiver em Bragança, fique a saber que este restaurante fica a pouco mais de 1h30, isto em tempo de viagem de carro. Para quem está na capital Lisboa, pode demorar cerca de seis horas.

O El Capricho é comandado atualmente por José Gordon, de 52 anos, que passou a tomar conta do edifício do seu avô , que outrora servia para produzir vinho. É por isso que se chama Bodega [Adega] El Capricho. Foram os pais de José que iniciaram o negócio da carne.

Gordon estudou agricultura na Cantábria e foi aí que começou a interessar-se pelo processo da maturação. O próprio José confessou, ao Telegraph, que começou a apaixonar-se por estes animais durante uma viagem à Galiza, dizendo que os viu logo como “membros da família”, algo que depois dificulta no momento de entrada no matadouro: “A morte destes bois serve para fazermos muitas pessoas felizes”, afirma para descarregar um pouco a consciência. Contudo, existe a regra de nunca abater um animal ainda jovem, referindo que podem chegar a viver até aos 15 anos: “Uma vida feliz reflete-se no sabor da carne”.

Os bois têm uma dieta equilibrada e supervisionada. São mais de 30 quilos de pasto e uma mistura de cereais, como o milho. Os animais chegam a medir dois metros de comprimentos e a pesar quase tonelada e meia.

“É isto que faz com que acumulem gorduras, algo importante para o processo de maturação”, explicou José Gordon numa entrevista ao jornal espanhol “El Comercio”, aqui citado pela NiT.

A paixão por estes animais é tanta que foi motivo de divórcio da primeira mulher, tal era a obsessão que tinha pela procura da perfeição no processo de maturação. Na tal viagem à Galiza, ainda jovem, comprou o seu primeiro boi, alimentou-o, matou-o, maturou a carne e foi provando até encontrar o ponto ideal.

Do Matadouro até ao prato

Os animais são abatidos num matadouro a escassos quilómetros do restaurante, onde a carne fica depois a maturar durante 90 dias, no mínimo, a temperaturas controladas.

Quanto à confeção da carne, “deve estar a 50º, selada no exterior e servida com um pouco de sal”, explica o guru da carne. Se um dia for até ao seu restaurante nunca peça a carne bem passada, é a única coisa que o deixa genuinamente nervoso: “Esses são os que estragam a carne, mas respeitamos o gosto das pessoas. A carne assim perde todo o líquido”, explicou ao jornal espanhol ‘El Comercio’.

A cada mês o menu do restaurante vai alternando, com carnes de diferentes raças de bois. Cecina de buey [estilo presunto, carne desidratada] (24€), carpaccio de lombo maturado com pinhões e queijo (24€) ou rabo de boi (22€) são alguns dos pratos servidos. O chuletón [bife] é o mais caro do restaurante, chegando a custar até 120€ por quilo, mas claro que não é uma carne qualquer.

No El Capricho podem ainda saborear morcela (9,6€), enchidos (19€), croquetes (9,6€) e língua (11€). Na secção das sobremesas salta à vista o bolo de torresmo de boi com café, que se faz acompanhar por um gelado de bolacha e uma espuma temperada de chocolate branco (7€).

Para os que chegaram até ao final deste texto e ficaram com muito apetite, aqui está o site oficial do El Capricho, onde podem ver o menu completo e fazer as reservas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.