A iniciativa Sons da Cidade assinala o terceiro ano da classificação da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia como Património Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) com diversos eventos que procuram reconhecer "a riqueza do passado", mas também realçar "o presente", com uma participação "significativa" da comunidade, disse José Miguel Pereira, o presidente do Jazz ao Centro Clube (JACC), uma das entidades organizadoras.

Entre 25 de junho e 04 de julho, haverá teatro, exposições, debate, conversa, performances, leituras de poesia, concertos e visitas guiadas, informou hoje a organização, durante a apresentação do evento.

O Sons da Cidade arranca a 25 de junho, pelas 11:00, com um desfile até à Baixa de Coimbra liderado por J. Delacroix, uma personagem do ator Ricardo Kalash que se assume como um curador "da escola francesa, absolutamente pós-modernista, com uma ligeira fixação por viaturas clássicas e conservador".

Nesse mesmo dia, a personagem Delacroix inaugura às 12:15 o Museu Temporário de Memórias, num antigo armazém de fazendas da Baixa de Coimbra, onde estarão expostos até 04 de julho objetos de comerciantes, cuja história, por vezes, se cruza com a história da cidade, explanou o artista.

No museu, estarão fotografias "das milícias armadas republicanas de 1910, documentação inédita sobre o Café Santa Cruz de 1920, material fabricado no século XIX de moldagem de chapéus, jeropiga da Taberna do Romal, doçaria da [pastelaria] Briosa", chapas para partituras da loja de música Olímpio Medina, entre outros objetos.

O curador Delacroix vai fazer visitas guiadas a 25 de junho, 01 de julho e 02 de julho, mostrando não apenas "os monumentos que estão à vista, mas também o tecido urbano e humano".

Para além do espólio presente no Museu Temporário de Memórias, o espaço vai também receber uma exposição do coletivo surrealista The Cabo Mondego Section e uma participação de antigos alunos da ARCA (Escola Universitária de Artes de Coimbra) e da associação IC Zero.

O museu serve ainda para acolher um concerto de Joana Bagulho que vai tocar Carlos Paredes em cravo (26 de junho), uma oficina de teatro para crianças (27 a 29 de junho), uma performance de António Olaio (30 de junho) e um VJ-Set (01 de julho), entre outras atividades.

No primeiro dia do Sons da Cidade, haverá também a apresentação do primeiro fascículo dos Cadernos de Jazz, na Casa das Caldeiras, e uma peça de teatro dos utentes do Centro de Dia 25 de Abril do Ateneu de Coimbra, no Teatro de Bolso, no edifício da Associação Académica de Coimbra.

A 25 de junho, decorrem também vários concertos pela cidade, com o primeiro a realizar-se nas Escadas do Quebra Costas, por Songbird, às 18:00, seguindo-se o duo Lavoisier no Largo do Romal, às 21:30, e Samuel Úria, na Praça 8 de Maio, às 22:00.

Apesar de o evento ter "um caráter de celebração, tem sobretudo o objetivo de refletir" a partir de um gesto artístico sobre "a forma como a cidade vive este reconhecimento por parte da UNESCO", realçou José Miguel Pereira.

Todos os eventos são de entrada gratuita, com exceção da oficina de teatro para crianças (25 euros).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.