Sensivelmente, a meio do seu percurso, o rio Mira contribui para um dos maiores espelhos de água do Alentejo.

A albufeira de Santa Clara. Do alto do monte da pousada, percebemos como é um paraíso em particular no verão.

Rio Mira
Santa Clara créditos: andarilho.pt

Além da praia fluvial e de dois trilhos pedestres, na opinião do técnico de turismo Nelson Reis, “é excelente para a pesca lúdica, em particular o achigã. Também se podem fazer passeios de barco. Há operadores turísticos na albufeira".

Rio Mira
Praia fluvial de Santa Clara créditos: andarilho.pt
Rio Mira
Patos no rio Mira em Odemira créditos: andarilho.pt

Em Odemira o rio que associa o nome à vila mostra-se prazenteiro e a ponte pedestre incentiva a caminhadas e a descobrir novas perspetivas. Do rio e do casario.

São vários os afluentes do rio Mira, mas a água é cada vez menos, o que aumenta a quantidade de água salgada no estuário e altera o meio ambiente. Uma das consequências “foram as enguias que abundavam e praticamente desapareceram devido à diminuição de água doce”.

Rio Mira
António Francisco créditos: andarilho.pt

A descrição é de António Francisco, mestre de uma embarcação tradicional, a Maresia, que é usada para transporte de passageiros e para a pesca. Um dos percursos que costuma fazer é de Vila Nova de Mil Fontes a Odemira e que nos é descrito por José Mário que tripula outra embarcação.

Rio Mira
Rio Mira créditos: andarilho.pt

“A água é limpa, o rio vai estreitando e vamos percebendo o efeito dos afluentes de água doce. Altera-se a vegetação e é mais diversa. Há muita gente que vem fazer observação de aves. Algumas aves são migratórias e as que se vêm com maior facilidade são a garça-real e o falcão peregrino".

Rio Mira
créditos: andarilho.pt

A grande quantidade de aves é um dos atrativos dos últimos quilómetros do rio Mira. Algumas são migratórias, outras andam por aqui regularmente, como as dezenas de patos em Odemira ou as centenas de garças-reais, próximas da foz.

Rio Mira
Patos no rio Mira em Odemira créditos: andarilho.pt

Adianta o mestre António Francisco que “muitas vão para o sapal e ao final da tarde, ao pôr do sol, regressam às rochas junto ao mar e na ilha do Pessegueiro. De madrugada voltam para o estuário e há muitas aves até Odemira. Pombos, gaivotas, corvo-marinho, garças-reais, maçaricos...”

Rio Mira
créditos: andarilho.pt

Outra espécie abundante, mas que não se deixa ver com facilidade, é a das lontras. Ficamos a saber da sua passagem pelo rasto de comida no cais. “Todos os dias encontra aqui e no outro cais sinais de que elas estiveram a comer chocos e polvo que capturaram. São muitas lontras. Ainda bem que a água é limpa".

Rio Mira
créditos: andarilho.pt

As lontras e as aves conhecem bem o ritmo e a riqueza do rio e o mestre também: “Na primavera e na maré vazia, há muita comida e as aves vêm para aqui. Mas não só. Chocos, polvos, douradas, sardinhas... vêm desovar ao rio. Funciona como uma maternidade que depois alimenta o mar".

Rio Mira
créditos: andarilho.pt

Ainda na opinião do mestre António Francisco, a melhor altura para se descobrir o rio Mira junto à foz é na primavera e nos meses de setembro e outubro.

Rio Mira – “uma maternidade que alimenta o mar” faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.