A Basílica de Santo Cristo de Outeiro é um edifício monumental que tem a sua origem no final do séc. XVII quando numa pequena capela ao lado se deu um milagre. O Santo Cristo esteve uma semana a “suar gotas de água”.

Basilia Outeiro
A Basílica de Santo Cristo de Outeiro créditos: Who Trips

O milagre foi testemunhado por um padre carmelita e um Juiz de Fora. Foi tal a admiração e a vocação que foi de imediato decidido construir uma outra igreja, grandiosa. O resultado corresponde à expetativa.

É um templo em estilo barroco, com uma fachada monumental e o interior rico em pinturas e talha dourada.

Hoje a peregrinação ao Santuário de Santo Cristo é muito menor e foi entretanto associado um outro objetivo: a elevação a Basílica.

Basilia Outeiro
Cónego João Gomes créditos: Who Trips

O processo levou quase 30 anos a ser decidido e o cónego João Gomes diz que sempre acreditou num desfecho positivo, “dada a grandeza que a basílica representa, a vários níveis – arquitetónico, riqueza dos interiores, altares e outros pormenores – conseguimos que em Roma fosse reconhecida e foi levada ao ponto máximo de qualquer igreja cristã que é a chamada basílica menor”.

Basilia Outeiro
Retábulo da Basílica créditos: Who Trips

Em termos hierárquicos a Basílica de Outeiro passou a ficar dependente diretamente da Basílica de S. Pedro de Roma.

Basilia Outeiro
Interior da Basílica créditos: Who Trips

O interior da Basílica é de grande beleza com vários altares em talha dourado e trabalhados em pormenor.

Basilia Outeiro
Os “8” (símbolo do infinito) ao lado da talha dourada créditos: Who Trips

Conjugam-se vários estilos e até existem enigmas como o motivo da representação de vários “8” (símbolo do infinito) numa Basílica. O olhar foca-se na cruz de Cristo que está no altar-mor e que terá sido a mesma cruz que esteve na origem do milagre na Capelinha ou Capela de Santa Cruz que está mesmo ao lado.

Basilia Outeiro
Rosácea vista do lado exterior, na fachada da Basílica créditos: Who Trips

No lado oposto, sobressai a luz que entra pela enorme rosácea, em pedra e ornamentada até ao mínimo detalhe.

Igualmente surpreendente é a sacristia. Como diz António Quintas, que nos fez uma visita guiada, ir à Basílica do Outeiro e não ver a sacristia é o mesmo que “ir a Roma e não ver o Papa”.

Basilia Outeiro
créditos: Who Trips

As paredes e o teto estão repletas de pinturas da autoria de Damião Bustamante, um pintor de Valladolid. O relato da altura é que ele só pintava na parte da tarde. Deixou um auto-retrato como Baco e a inscrição em latim: “o vinho alegra o coração dos homens”.

Basilia Outeiro
Auto retrato de Damião Bustamante créditos: Who Trips

As pinturas são de 1768 e foram restauradas há cerca de cinco anos. Parecem novas e o conjunto surpreende de imediato o olhar do visitante. António Quintas revela também o seu fascínio por uma arca que está próxima da entrada lateral da basílica.

Basilia Outeiro
Baú com sete chaves créditos: Who Trips

É um baú com sete chaves, pesa 785 kg e é feito de um único tronco de árvore. Era da confraria que guardava no baú os donativos recolhidos para a igreja. De um grupo de sete pessoas cada um levava uma chave e a arca só podia ser aberta quando todos estivessem presentes.

Basilia Outeiro
Interior da Basílica com talha dourada e pinturas créditos: Who Trips

A Basílica de Santo Cristo do Outeiro é utilizada para vários tipos de rituais religiosos e tem missa aos domingos e duas a três vezes durante a semana. No entanto, não é a igreja paroquial. Esta fica noutra zona da aldeia, é do séc. XII e tem também uma particularidade – é das poucas em Portugal que tem um campanário todo em xisto.

Basilia Outeiro
Campanário da igreja matriz créditos: Who Trips

Está no chamado Outeiro antigo e “é do tempo do rei D. Dinis. Foi construído com os materiais que sobraram da construção do castelo, segundo o cónego João Gomes.

O castelo é motivo suficiente para outra história, até porque estão a decorrer projetos arqueológicos. Está em ruínas na sequência das guerras fronteiriças com Castela. Está no alto de um monte e alcança uma vista enorme.

Basilia Outeiro
Antiga Casa da Câmara créditos: Who Trips

A Basílica, a Igreja Matriz e o castelo são lugares a descobrir e César Garrido, presidente da Junta de Freguesia,  destaca ainda o pelourinho e a antiga Casa da Câmara. Num breve passeio a pé consegue-se ver todos estes lugares de interesse. A Basílica de Santo Cristo do Outeiro está classificada como Monumento Nacional.

Basilia Outeiro
António Quintas com a chave da igreja créditos: Who Trips

Outeiro é a única aldeia portuguesa com uma Basílica e faz parte do podcast semanal da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui. A emissão deste episódio, Outeiro é a única aldeia portuguesa com uma Basílica, pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.