A imponência e a riqueza artística desse património está também associada a uma profunda alteração geomorfológica do concelho de Peniche.

Atouguia da Baleia
Igreja de S. Leonardo créditos: andarilho.pt

Atouguia da Baleia foi durante vários séculos um dos principais portos portugueses, protegido por uma ilha que é hoje Peniche.

Atouguia da Baleia
Porto de Peniche créditos: andarilho.pt

Desse longo período de tempo, como sublinha Rui Venâncio historiador e coordenador da área da Cultura do município de Peniche, o legado é de quatro igrejas “de épocas diferentes e mostram a importância que a vila de Atouguia da Baleia teve ao longo do tempo, em particular na altura em que era um concelho autónomo, ainda não associado a Peniche como veio a ser mais tarde.”

Atouguia da Baleia
Igreja de S. José, Centro Interpretativo de Atouguia da Baleia créditos: andarilho.pt

A igreja da Misericórdia recebe a influência de arquitetura maneirista. Próximo está a de S. José, com traços barrocos e hoje alberga o Centro Interpretativo de Atouguia da Baleia.

Atouguia da Baleia
Igreja da Senhora da Conceição créditos: andarilho.pt

No largo principal destaca-se a igreja da Senhora da Conceição com torreões de Pedra, acompanhada de um touril, um conjunto raro em Portugal.

Igreja de S. Leonardo: das parturientes e da mandíbula da baleia

A igreja de S. Leonardo assemelha-se a uma fortaleza e, de certa forma, reflete o domínio das várias famílias nobres e da realeza, senhores do território.

Atouguia da Baleia
Igreja de S. Leonardo créditos: andarilho.pt

Está classificada como Monumento Nacional. “É uma igreja de grande imponência e onde encontramos a transição entre o românico e o gótico. Data do século XIII.  Tem a curiosidade de ser consagrada a S. Leonardo, o que não é vulgar em Portugal.  A igreja de S. Leonardo é a única em Portugal consagrada a este santo e inclusivamente é a única paróquia.”

Atouguia da Baleia
Igreja de S. Leonardo créditos: andarilho.pt

O portal da entrada é decorado com motivos góticos e o interior é sóbrio. Domina a estrutura de pedra, paredes pintadas de branco e uma passadeira vermelha na nave central encaminha o nosso olhar para a capela-mor.

Atouguia da Baleia
Igreja de S. Leonardo créditos: andarilho.pt

É também simples, com vitrais que enchem de luz o espaço definido por uma ogiva. No lado esquerdo, embutido na parede temos uma peça em calcário branco que é uma das “jóias” da igreja de S. Leonardo. No dizer de Rui Venâncio o retábulo da Natividade “é uma peça notável.”

Atouguia da Baleia
Igreja de S. Leonardo créditos: andarilho.pt

Está associado à cultura popular, a um dos atributos que o povo vê em São Leonardo e que tem a ver com as parturientes.

“Nesse sentido há uma série de elementos decorativos da igreja que nos levam à temática da natividade.
Um deles é este retábulo em baixo relevo do século XIII. É uma peça notável devido às suas características que nos apontam para a influência de uma escola francesa.”

Atouguia da Baleia
Retábulo da natividade créditos: andarilho.pt

A Rainha D. Isabel, que tem uma estátua no espaço exterior também tem uma relação com o retábulo. Atouguia esteve na posse da rainha e uma lenda diz que “certo dia, o infante D. Pedro, futuro rei D. Pedro I, estaria doente e a rainha foi rezar de forma muito fervorosa à Natividade. De repente houve um estrondo e ela reparou que a peça estaria fissurada de um lado ao outro. Hoje vemos ainda a peça fissurada. A rainha regressou depois ao paço na Serra d’El rei, onde estaria nessa altura a residir, e o seu neto, D. Pedro, estaria curado”.

Atouguia da Baleia
Igreja de S. Leonardo créditos: andarilho.pt

Ainda associado à Natividade destaca-se um presépio atribuído à escola Machado de Castro.
Tem a tradicional Sagrada Família, mas foram acrescentadas várias figuras etnográficas, de épocas diferentes, e vários animais, como por exemplo um elefante. O presépio está guardado numa caixa de madeira, com porta de vidro, próximo da entrada da igreja, no lado direito. Não muito longe de uma mandibula enorme, com vários metros de altura, encostada a um canto da parede.

Atouguia da Baleia
Mandíbula de uma baleia créditos: andarilho.pt

“O osso de baleia, não sendo da igreja, povoou o imaginário das pessoas porque há a identificação de que aquele osso teria sido retirado da igreja no âmbito  da intervenção de recuperação da igreja na década de 70 do século XX.” No entanto, refere ainda Rui Venâncio, “aquele osso provém de Peniche mas evoca um pouco a história da própria vila, centrada na atividade piscatória”.

Apesar de hoje estar distante do mar, por força da alteração geomorfológica do território, Atouguia da Baleia teve uma atividade piscatória importante, em particular de captura da baleia durante a Idade Média.

Atouguia da Baleia
Igreja de S. Leonardo créditos: andarilho.pt

O osso da baleia está num lugar discreto e não ofusca cinco pinturas que estão nas paredes da igreja. São todas do século XVI e uma delas, da autoria de Diogo Contreiras, um dos maiores pintores dessa época, retrata S. Leonardo.

Atouguia da Baleia
Igreja de S. Leonardo créditos: andarilho.pt

Por ultimo, destaca-se o túmulo do 1º conde de Atouguia, a família que a partir do século XV tomou conta da vila. Alguns foram figuras destacadas, mas a linhagem teve um fim trágico devido a ligações familiares com os Távora.

O 11º conde de Atouguia casou com uma filha dos Marqueses de Távora e, na sequência do atentado contra o rei D. José, foram todos executados. O Marquês de Pombal mandou destruir as armas nos brasões.

Atouguia da Baleia
Armas dos Atouguia destruídas no pelourinho créditos: andarilho.pt

Foi o que sucedeu no pelourinho que está em frente da igreja e também no túmulo do fundador dos Atouguia, na capela-mor. Só que o pedreiro não sabia que é visível uma das faces do tumulo no interior da sacristia e deixou ficar para a história o escudo da família dos Atouguia.

Atouguia da Baleia
Escudo dos Atouguia créditos: andarilho.pt

O surpreendente património religioso de Atouguia (e do osso) da Baleia faz parte do programa da Antena1 Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.