Foto: Pelos caminhos da Beira Alta. Créditos: Marta Durán

Os Unwrapping Humans penduraram as chaves, fechando a última palestra de Lisboa em Telheiras, e os TravelB4Settle seguiram rumo a Madrid, dando lugar a duas caras novas: o Ricardo Silva, que viajou 6 meses por Portugal com a sua bicicleta e é agora um líder do Caminho de Santiago, e a Marta Durán, conhecida pelas suas viagens loucas à boleia e pelo seu amor por África, que a levou numa viagem de bicicleta até à Guiné-Bissau. Esta dupla correu então o centro de Portugal, de Santarém a Castelo Branco, passando por Torres Novas, Tomar e Abrantes, inspirando jovens a ter a mesma coragem que os fez mexer e concretizar os seus sonhos.

Porque fazer uma road trip não é só animação e fotos bonitas para mostrar aos amigos, mesmo antes de começar, já a aventura abria asas a um desafio: ao pegar na carrinha para ir buscar a Marta, o Ricardo deparou-se com um furo num pneu. Que graça tinha se assim não fosse? Após três horas e algum suor, lá arrancaram, finalmente, os dois para Santarém. Pernoitaram no parque de estacionamento do continente onde, de novo, o espírito da road trip fez das suas. Uma Marta ensonada, e com xixi, saiu a meia noite da carrinha para tratar do que a incomodava e fazer o que tinha a fazer. O que é que existe em parques de estacionamento? Câmaras de segurança. Pena só se ter apercebido no fim. Por isso, seguranças do Continente de Santarém, se estiverem a ler isto, a Marta pede desculpa.

Do Ribatejo à Beira Alta com a Road Trip Gap Year Portugal
Marta e Ricardo à conversa em Idanha-a-Nova créditos: DR

O dia seguinte acordou chuvoso, mas não menos animado. Iniciou-se assim o real propósito desta aventura, logo pela manhã, com uma palestra a 70 alunos, liderada pela Marta. Por causa do furo, durante a tarde, a carrinha abandonou Santarém e dirigiu-se a uma oficina em Torres Novas. Curiosamente, o dono da oficina tinha como sonho fazer uma road trip numa carrinha, pela Europa. Escusado será dizer que aquela mudança de pneu lhe serviu de inspiração. Aproveitando a oportunidade, a nossa equipa seguiu pela bonita cidade, num passeio que lhes permitiu contemplarem o Castelo de Torres Novas, um ponto de paragem obrigatório na zona.

Foi também em Torres Novas que teve lugar o segundo dia de palestras, desta vez com o Ricardo ao leme. Outros 70 alunos ficaram inspirados a seguir um caminho diferente e fazer um gap year. Entusiasmo não faltou e foi de coração cheio que a Marta e o Ricardo seguiram para Tomar, tão conhecido pelo seu belíssimo convento, o Convento de Cristo, considerado Património Mundial, onde, claro, os nossos dois protagonistas não podiam ter deixado de ir. Fica o conselho a quem lá for, não só o convento vale a pena, como uma voltinha a pé pela cidade é igualmente indispensável.

Castelo de Tomar
Castelo de Tomar créditos: Marta Durán

Nesse dia, contudo, mais um desafio se impôs à viagem. O Ricardo e a Marta bateram à porta dos bombeiros, da PSP e até de escolas, em busca de um banhinho. Como nem sempre tudo corre bem, o segundo dia da road trip foi marcado pela higiene à gato, e pelas indispensáveis toalhitas, que nunca podem faltar numa viagem do género. O mal acabou por se mostrar menor.

O terceiro dia na estrada teve início em Tomar, que é curiosamente uma das cidades que mais marcou o Ricardo no seu gap year, por lá ter estado a fazer voluntariado numa quinta. Como não poderia deixar de ser, foi ele que falou aos jovens desta cidade, deixando-lhe um sentimento de dever cumprido. Como parar é morrer, e antes que o sol começasse a baixar, já Abrantes se abria no horizonte. A Marta e o Ricardo decidiram então visitar a Aldeia do Mato e a sua praia fluvial, em plena albufeira de Castelo de Bode. Fizeram um trilho recomendado por um amigo da Marta, que lhes permitiu visitar inúmeras “cascatas, quedas de água e quedas do Ricardo também”, como descreveu o próprio. Com um dia tão cheio, só restava uma jantarada e uma boa noite de sono para terminar em grande.

Abrantes recebeu os nossos protagonistas de braços abertos na manhã seguinte, presenteando-os com casa cheia. A escola já está desde o início com o projeto da Road Trip Gap Year Portugal e, como tal, feedback positivo e muita motivação não faltaram neste quarto dia.

Monsanto
Monsanto créditos: Marta Durán

Rumo a Castelo Branco, a noite foi passada no topo da cidade, mesmo ao lado da Igreja Matriz. Onde era suposto haver uma vista de cortar a respiração, cerrava-se nevoeiro, e a companhia da chuva embalava os nossos, agora, três aventureiros. No dia seguinte, apesar da greve da função pública, a palestra tomou lugar numa biblioteca centenária. De alegria no peito, seguiram então para Monsanto, cuja beleza ficou ainda mais realçada pelo nevoeiro, oferecendo misticidade àquela que é considerada a “aldeia mais portuguesa de Portugal”.

Melhor não podia ficar… oh, não, afinal podia. Para acabar a semana em grande, os nossos protagonistas decidiram passar o fim de semana a explorar a Serra da Estrela. Esperemos que não se percam com os deliciosos queijos da serra, ou nos recantos pintados de neve, pois a próxima semana promete mais aventuras.

Acompanhem diariamente em @roadtrip_gapyear, @boleiasdamarta e @ricardosilvaclc.

Artigo escrito por Carolina R. de Sousa, da Associação Gap Year Portugal

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.