Reportagem: Brigitte Hagemann/AFP | Fotografias: Patrícia de Melo Moreira/AFP

Num palácio abandonado no centro de Lisboa é possível ver buracos nas paredes de azulejos, resultado das peças roubadas para serem vendidas a turistas, desejosos de levar para casa uma recordação desse património tão característico de Portugal.

Os últimos inquilinos do Palácio Pombal, membros da associação cultural Carpe Diem, acabam de mudar-se desta residência, construída no século XVII, que caiu em decadência pela ausência de apoios da Câmara Municipal de Lisboa, proprietária do imóvel há 50 anos.

O palacete, que pertenceu ao marquês de Pombal, está entre os edifícios em alto risco registados pelo projeto "SOS Azulejo", lançado em 2007 pela Polícia Judiciária, que está à procura dos ladrões destas cobiçadas peças de cerâmica.

Dez anos mais tarde, os roubos de azulejos diminuíram 80%, mas muitos ficam foram das estatísticas por não serem denunciados, explica Leonor Sa, curadora do museu da Polícia Judiciária.

"Os portugueses não denunciam porque para eles é a coisa mais banal do mundo. Viveram rodeados de azulejos a vida inteira", indica. "Já os turistas estrangeiros que descobrem estas cerâmicas ficam encantados porque elas não existem nos seus países", refere a responsável.

Igrejas vandalizadas

Introduzidos sob formas decorativas não figurativas pelos árabes, durante a ocupação da Península Ibérica, os azulejos desenvolveram-se depois como uma arte própria, e ainda decoram muitas fachadas deterioradas de Lisboa.

Embora a cor predominante seja o azul, a origem da palavra provém do árabe "al zulaydj" (pedra polida).

Indignada com o desaparecimento deste tesouro patrimonial português, Leonor Sa criou um site, www.sosazulejo.com, que apresenta fotografias de azulejos roubados de igrejas, hospitais ou estações de comboios. Também permite verificar com alguns cliques as cerâmicas que outros vendem.

Em 2001, 2002 e 2006, os roubos atingiram níveis recorde, com cerca de 10.000 azulejos roubados. "Atualmente há muito menos" roubos, segundo a especialista.

Desde 2013, a demolição de fachadas decoradas com azulejos está proibida em Lisboa sem autorização prévia da Câmara, uma regra que em breve o Parlamento estenderá a todo o país.

Azulejos de Lisboa, objetos do desejo de turistas e ladrões
Azulejos à venda na Feira da Ladra créditos: Patrícia de Melo Moreira/AFP

No mercado popular Feira da Ladra, os azulejos antigos são vendidos por entre cinco e 100 euros a unidade. Um grande painel castanho, dourado e verde do século XVIII com motivos florais e de animais exóticos custa 500 euros. Nos antiquários, o preço de algumas destas peças pode chegar a 10.000 euros.

Brigada de obras de arte

Os controles dos inspetores da polícia são frequentes. A pequena loja de Maria Santos, de 28 anos, repleta de cerâmicas dos séculos XVIII e XIX, não escapa à sua vigilância.

"Quando vêm, mostro-lhes todos os documentos. Eu vendo, não roubo", assegura. Embora alguns azulejos provenham da demolição de fachadas, "com frequência na verdade não se sabe de onde saíram", admite.

"A maioria dos azulejos são de origem lícita. Muitas vezes, são os próprios donos que se desfazem deles para renovar suas casas", conta o inspetor Oscar Pinto, chefe da brigada de obras de arte.

"Mas não se deve deixar enganar. Quando um toxicómano nos vende 20 azulejos numa bolsa de plástico por um euro a unidade, há altas probabilidades de que sejam roubados", aponta.

Na véspera, o inspetor tinha percorrido, em vão, a Feira da Ladra para tentar recuperar mais de 1.000 azulejos cerâmicos do século XVIII roubados na noite anterior de um edifício abandonado na Baixa.

Segundo o inspetor, o 'boom' do turismo em Lisboa não é alheio à forte demanda de azulejos antigos e "pode contribuir para um aumento dos roubos".

Azulejos de Lisboa, objetos do desejo de turistas e ladrões
Ceramista Cristina Pina na sua loja créditos: Patrícia de Melo Moreira/AFP

A ceramista Cristina Pina, de 55 anos, encontrou a solução: a uma centena de metros do mercado de objetos usados, a sua loja artesanal oferece azulejos que são reproduções idênticas de cerâmicas fabricadas no século XVIII.

"Prefiro que os turistas comprem belas reproduções de azulejos como lembranças de Lisboa, o que permite que os originais permaneçam no país", explica.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.