Um momento que muito orgulha o povo das Terras de Miranda e em particular as duas costureiras.

Sandra Nobre
Papa com a Capa de Honras créditos: ©CM Miranda do Douro

No atelier vi capas com cores vivas e design moderno. Já tinham destino. Uma figura muito conhecida em França que Sandra recusou dar a conhecer o nome. A maior parte das peças são em burel ou pardo e o desenho é como se fosse uma pintura.

Sandra Nobre
Capa de Honra que segue para França créditos: Who Trips

“Dá muito trabalho, como qualquer outra atividade, mas não é qualquer pessoa que faz. O desenho é feito sem decalque. É tudo feito a olho. A minha mãe costuma dizer que desenhamos como se fosse um pintor”.

A imaginação não é completamente livre. Está muito alicerçada nos materiais e formas das tecedeiras das Terras de Miranda que havia em muitas famílias tal como sucedia em outras regiões do país.

As pessoas tinham uma economia de subsistência e a faziam também as suas roupas em casa. Eram famílias grandes e havia sempre uma tecedeira em casa e produziam mantas, colchas, saiotes… A própria utilização do picado é uma herança deste processo de trabalho.

Segundo Sandra Nobre, “o picado era muito utilizado na capa de honras e em outras peças de vestuário de pessoas abastadas”. É na tradição que se constituiu a partir destas peças que se inspiram para o vestuário contemporâneo.

Sandra Nobre
créditos: Who Trips

A modernização passa também pela criação de uma grande variedade de produtos em tecido, “tudo o que a imaginação nos permite com inspiração nas Capas de Honra e em outras peças tradicionais.

Produzimos capas de senhora, mochilas, carteiras…. Outra situação interessante é que reutilizamos matérias primas antigas como o pano de saco em linho ou lã.”

Sandra Nobre
créditos: Who Trips

Na atualidade são poucas as pessoas que produzem de modo artesanal este tipo de peças tradicionais. No entanto, Sandra acha que não há o risco de a arte desaparecer por falta de artesãos.

Sandra Nobre
créditos: Who Trips

O que mudou foi o género. Antes eram os homens que produziam a Capa de Honra, os alfaiates. Agora juntam-se, até em maior número, as costureiras. No concelho de Miranda “há duas ou, podemos dizer, quatro porque a minha mãe trabalha com mais três mulheres”, refere Sandra Nobre.

A produção mudou de género e também de peso. Com os novos materiais, uma capa de honras pesa cerca de 8 quilos. Antes com matéria prima totalmente artesanal, pesava mais de 15 quilos.

Sandra Nobre
Capa de Honra, Miranda do Douro créditos: Who Trips

A Capa de Honra é uma peça tradicional de Miranda do Douro e protegia do frio intenso. Tem também uma carga simbólica que revela honraria por parte de quem a usa e também de quem é recebido por alguém que a veste.

Sandra Nobre
Sandra Nobre créditos: Who Trips

A arte do “picado” de Miranda faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.