Conforme nasce o dia, a ilha vulcânica revela-se e exibe quase 900 moais deixados pela civilização Rapa Nui, a meio caminho entre a América e a Oceania. Distante de tudo. A pequena Ilha de Páscoa pertence ao Chile e a curiosidade é o sentimento de quem a visita.

Formada por poderosos vulcões, o solo da ilha é bastante irregular e repleto de crateras, cavernas. Os moai medem, em geral, entre três e seis metros, e os maiores atingem os dez metros, com um peso de 80 toneladas. O material da maior parte dos moai é também rocha vulcânica, cinzenta-amarelada, extraída das paredes da cratera do vulcão Rano Raraku. O que explica um dos enigmas, a pedra em que foram esculpidas as estátuas não existe na superfície da ilha, mas também não provém do espaço exterior: vem das suas profundezas interiores.

Alguns estudiosos dizem que a ilha foi colonizada por um grupo de exploradores vindo das Ilhas Marquesas, na Polinésia Francesa. A data de sua chegada é bastante incerta. Há quem diga que foi ao redor do século IV, outros dizem que foi século VIII ou ainda século XIII. Na própria tradição dos rapanui remanescentes, a ilha teria sido colonizada por uma família e seu patriarca se tornado o primeiro rei rapanui.

Hoje, a ilha de Páscoa é bem aprovisionada no que se refere a alimentos, tem boas vias de comunicação e soube aproveitar as vantagens proporcionadas por um turismo crescente. Hanga Roa, a capital, é o lugar onde vive a maior parte dos cerca de três mil habitantes da ilha. O coração e ponto de encontro dos pascoenses é a Praça Hotu Matua.

Guia do viajante

Como ir. Primeiro, é preciso chegar até Santiago de Chile (a Ibéria tem voos a partir de € 788) e, dali, apanhar outro avião até à ilha da Páscoa.

Dormir. A capital Hanga Roa concentra a maior oferta, que inclui desde cabanas até pequenos hotéis geridos por famílias rapa nui.

O que deve saber. Entrada. Apenas é necessário o passaporte em dia.

Língua. Espanhol e rapa nui, a língua natal.

Moeda. Peso chileno. Mas atenção que só existe um banco e uma caixa ATM na ilha. Pode ser que a situação se altere num futuro próximo, mas convém ir preparado para essa eventualidade.

Clima. Embora a ilha esteja situada uns graus abaixo do trópico de Capricórnio, o seu clima não é exactamente subtropical, mas sim um pouco mais frio. A temperatura oscila entre os 14 graus de Julho e os 28 de Janeiro, o mês mais quente do Verão austral. Quando ir No mês de Fevereiro celebra-se a semana de Rapa Nui. É a melhor altura para visitar a ilha, onde há festa em todos os recantos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.