O relato que se segue, da fundação da capital do Brasil, tem como base conteúdos da AFP publicados naquela época.

Marco da história das cidades planeadas, Brasília emergiu em menos de quatro anos, a partir de 1956, num planalto vazio, frequentemente confundido com um deserto no centro-oeste de Brasil.

Foi erguida a mil quilómetros do Rio de Janeiro, que foi capital do Brasil desde 1763, na costa sudeste, relata a AFP às vésperas de vários dias de festividades. Abriga, ainda, um lago artificial, o Paranoá, com mais de 40 quilómetros quadrados.

Tira teimas. Estas cidades são ou não capitais?
Tira teimas. Estas cidades são ou não capitais?
Ver artigo

Brasília resultou do projeto de modernização nacional do então presidente Juscelino Kubitschek, para quem Brasília "é uma revolução geopolítica. Após ter se alojado por quase 200 anos às margens da água, o Brasil agora vai tomar posse do seu território".

Inserida em 1987 na lista do património mundial da UNESCO, a cidade de arquitetura moderna foi concebida pelo urbanista Lúcio Costa, o paisagista Roberto Burle Marx e o arquiteto Oscar Niemeyer.

Em 1988, Niemeyer ganharia o Pritzker Prize, considerado o prémio Nobel da arquitetura.

Grande circunferência

A data da inauguração coincidiu com o aniversário, em 1792, da morte de Tiradentes, primeiro mártir da independência do Brasil, que havia pedido que a capital fosse realocada para a região central do Brasil.

À medida que a data se aproximava, noite e dia, "100.000 operários, engenheiros e técnicos davam os toques finais à maior área de construção do mundo", reportou a AFP.

"Para acomodar os construtores de Brasília, uma cidade provisória foi criada... no meio da cerrado", com "150.000 habitantes, 60 hotéis, 40 bares e sete bancos", condenada a ser demolida quando a construção de Brasília estivesse concluída.

Brasília "tem a forma de uma circunferência - tão grande que, do topo do arranha-céu de 28 andares onde os serviços administrativos do Parlamento serão abrigados, os limites (da cidade) não são visíveis", acrescentou a AFP.

"Dentro dessa circunferência", cujos dois diâmetros desenham o sinal da cruz, "as avenidas... têm a forma de círculos concêntricos", ou "são dispostas para seguir o raio do círculo, mas não levam uma à outra, enquanto pontes e túneis foram colocados em todos os entroncamentos".

Brasília. Há 60 anos,
Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida créditos: Sergio Lima| AFP

Joias da arquitetura

O Congresso Nacional, com seus edifícios semiesféricos, o Palácio do Planalto (sede da Presidência) e o Supremo Tribunal Federal situam-se na Praça dos Três Poderes, que fica no centro da circunferência e coração da cidade.

Entre os monumentos mais belos de Brasília está a catedral, com o seu enorme feixe de colunas de concreto, simbolizando a amizade entre Brasil e Portugal, a antiga metrópole, e o Palácio do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores.

Inicialmente, a transferência de poder do Rio para Brasília foi, antes de mais nada, simbólica.

"A construção interna dos numerosos edifícios públicos não estava terminada, os escritórios não foram completamente concluídos e, mais que nada, os elevadores funcionavam frequentemente de forma precária", escreveu a AFP na véspera da inauguração.

A rede interna de telefonia não era veloz, e problemas de última hora surgiram em conexões de rádio com outras cidades.

Com grandes distâncias a percorrer, também era difícil circular por uma área urbana praticamente sem transporte.

Comemorações

Apesar de tudo, as comemorações estiveram na ordem do dia.

A 20 de abril de 1960, os "brasileiros, que nas últimas 24 horas, foram para a nova capital, libertaram-se do seu entusiasmo diante de obras-primas da arquitetura".

O presidente recebeu as chaves da cidade perante "uma multidão de cerca de 3.000" pessoas, onde operários de jeans misturavam-se com os camponeses do planalto com os rostos queimados de sol, com os turistas do Rio e de São Paulo vestidos de branco e com as autoridades e parlamentares vestido com fatos escuros.

A cidade é abençoada pelo então núncio apostólico, o cardeal Manuel Cerejeira.

Para além das cerimónias religiosas, as festividades estenderam-se por dias e incluíram uma exposição, um desfile militar e uma procissão de operários que trabalharam na construção da nova capital.

No dia 21, as autoridades instalaram-se na cidade.

"As fachadas dos prédios públicos são todas feitas com janelas salientes. Assim, as pessoas conseguem verificar constantemente o trabalho dos servidores do Estado", reportou a AFP no dia 23 de abril daquele ano.

Quatro anos após a inauguração da nova capital, que sobrecarrega as finanças do país por vários anos, o Brasil sofre um golpe de Estado, que instaura uma ditadura militar que vai se estenderia até 1985.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.