Para alguns, a colina é símbolo da resiliência de Nova Iorque; para outros, é uma ferida aberta. Por baixo da estão os destroços dos ataques de 11 de setembro de 2001, misturados com restos mortais.

O local em Fresh Kills, Staten Island, era o maior aterro sanitário a céu aberto do mundo até ser fechado em março de 2001. Reabriu entretanto para abrigar os destroços do World Trade Center, destruídos no ataques de 11 de setembro de 2001.

Hoje o local causa consternação para alguns familiares das vítimas. Os primeiros camiões chegaram na noite do atentado, e, ao longo de dez meses, Dennis Diggins foi responsável pelo trabalho de transportar 600.000 toneladas de entulho do "Ground Zero" (marco zero).

"Não sei como seria se eu tivesse um membro da minha família aqui. Mas posso dizer que o material foi tratado com o máximo respeito", lembra Diggins, 20 anos depois. "Não se misturou com o lixo, há uma separação", acrescenta.

Dennis Diggins
Dennis Diggins. créditos: AFP or licensors

A área tornou-se numa pequena cidade, com milhares de funcionários de saneamento, polícia, agentes do FBI e serviço secreto. Todos eles vasculharam o local à procura de pistas, objetos de valor e restos mortais que pudessem ajudar a identificar as vítimas.

Kurt e Diane Horning foram uns dos parentes das vítimas mortais dos ataques que rapidamente visitaram a área. O filho do casal, Matthew, era um administrador de banco de dados que perdeu a vida quando a Torre Norte desabou, uma hora e 42 minutos depois de ser atingida por um dos aviões sequestrados.

O casal ficou aflito assim que chegou: o local estava cheio de gaivotas e lama. Encontraram um cartão de crédito, um sapato e um relógio.

Um trabalhador disse ao casal que nos primeiros 45 dias, por falta de equipamento, trabalharam com ancinhos e pás.

"A ideia era trabalhar dentro do orçamento, com rapidez (...) 'Vamos mostrar a resiliência do país e não parar ao depararmo-nos com um cadáver'. E foi o que fizeram", diz Diane.

Contrariando Diane, Diggins garante que ele e a sua equipa trataram a área como um aterro sanitário normal e operaram "com respeito". "Sempre se soube que havia restos humanos. Nunca paramos de pensar nisso", conta, visivelmente emocionado.

Diggins também afirma que, assim que os camiões deixaram o local, contratou mergulhadores para fazerem buscas no cais ao redor e garantir que nada fosse deixado sem inspeção.

Fresh Kills, o lugar esquecido do 11 de setembro
créditos: AFP or licensors

"Lixo"

Entre o início e o fim da operação, a colina, que oferece uma vista deslumbrante da Baixa Manhattan, onde ficavam as Torres, subiu mais de 25 metros. Separada do resto da colina por uma camada isolante, a pilha de entulho foi coberta por lonas de plástico.

O casal Horning acredita que alguns dos restos mortais de Matthew estão enterrados ali. Até ao momento, apenas um fragmento do osso do filho foi recuperado.

As tentativas do casal de remover todos os restos mortais foram rejeitadas pelo governo da cidade, liderada na época pelo prefeito Michael Bloomberg.

"Foi uma perda dupla. Alguns decidiram que era uma boa ideia explodir o meu filho. Depois o meu próprio governo decidiu que eu não era boa o suficiente para enterrá-lo", diz Diane.

Os Horning e outras famílias propuseram que os restos mortais fossem enviados para outros locais em Fresh Kills que nunca abrigaram lixo, mas sem sucesso.

Em 2005, 17 das famílias entraram com ações judiciais. Estas famílias tentaram levar o caso ao Supremo Tribunal dos Estados Unidos, mas os juízes recusaram-se a examiná-lo.

"Eu, pessoalmente, senti-me responsável por arrastar as outras famílias para isto. Agora, elas não têm esperança e  eu tenho de viver com isso", lamenta Diane.

O local ainda despeja mais de 40.000 metros cúbicos de metano por dia a partir do lixo em decomposição depositado ali por muitas décadas.

Quando for seguro, as autoridades de Nova Iorque pretendem abrir um parque memorial no local. A previsão é que aconteça em 2035.

Mas o casal Horning não está interessado. “É uma lata de lixo”, diz Diane. "É como se na manhã de Natal dessem ao seu filho um pacote lindamente embrulhado e quando ele o abre tem lixo no interior".

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.