Situado numa cratera de 91 metros de largura e 45 metros de profundidade e entre duas montanhas - o Monte Makiling e o Monte Banahaw -, acredita-se que este vale terá sido formado há milhares de anos por uma violenta erupção vulcânica.

Da erupção terão resultado também as mais de cem nascentes que hoje atraem visitantes de todo mundo, que ali vão para banhar-se nas águas quentes, minerais e puras, que, segundo consta, são medicinais e rejuvenescedoras.

Hidden Valley Springs
créditos: Travellight

Todo o vale está coberto por uma floresta de vegetação exuberante e tropical que podemos explorar a pé para descobrir a sua impressionante coleção de orquídeas raras e as mais de 153 espécies nativas de plantas - a maioria das quais estão ameaçadas de extinção.

Pelo caminho encontramos também as várias nascentes vulcânicas que formam as piscinas aquecidas onde podemos mergulhar e relaxar.

Hidden Valley Springs
créditos: Travellight

Um pouco mais longe, talvez a 15 minutos de caminhada das nascentes, encontramos a Hidden Fall (cascata escondida), a maior queda de água do Vale, infelizmente aqui, por ser considerado perigoso, não é permitido tomar banho.

Hidden Valley Springs
créditos: Travellight

O Vale está inserido num resort privado, por isso para aceder ao local temos de pagar entrada. O bilhete inclui um almoço, servido em buffet e a permissão do uso de casas de banho, chuveiros e cacifos onde podemos guardar os nossos pertences.

Para aqui chegar a opção mais confortável é alugar um carro com motorista por um dia mas quem não quiser gastar tanto pode ir de autocarro de Manila até a cidade de Alaminos e de lá apanhar um transporte semelhante a um tuk-tuk até ao Vale.

Sigam as minhas aventuras mais recentes no Instagram e no Facebook 

Artigo originalmente publicado no blogue The Travellight World

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.