Há cada vez mais pessoas que viajam em busca de ondas. O turismo de surf representa um nicho interessante no setor. Mas estas ondas que apresentamos a seguir não são para qualquer surfista. Só os mais experientes e especializados em ondas gigantes são capazes de apanhá-las. Resta-nos ficar de espetadores, a sonhar com as paisagens incríveis destes lugares únicos no mundo. Veja na galeria de fotos.

Nazaré, Portugal

O “spot” de ondas gigantes na Nazaré conquistou fama mundial quando, em 2011, o surfista Garrett Mcnamara surfou ali uma onda de 23,8 metros, entrando para o Livro do Guiness como a maior onda surfada do mundo. Este ano, em 2018, ficou confirmado que o surfista brasileiro Rodrigo Koxa conseguiu bater o recorde do havaiano, depois de surfar uma onda de 24,38 metros, em novembro de 2017.

Ano após ano, Nazaré ganha fama e muitos surfistas tentam superar-se nas ondas gigantes da Praia do Norte. São cada vez mais os visitantes que procuram observar a força do Canhão. Este desfiladeiro submarino de origem tectónica é o responsável pela formação destas ondas gigantes.

Teahupo'o, Taiti, Polinésia Francesa

É considerada uma das ondas mais pesadas e perigosas do mundo mas também uma das mais perfeitas. A envolvência, na ilha do Taiti, as águas de um azul cristalino e o fundo de coral fazem de Teahupo’o um paraíso para quem o conhece mas que pode se transformar num inferno para quem se atreve a surfar as suas ondas (algumas com mais de 10 metros).

A localização, na parte sudoeste da ilha, e a diferença abrupta de profundidade fazem com que os tubos alucinantes sejam formados nas águas de Teahupo’o, que significa praia dos crânios partidos. O nome assusta mas a verdade é que uma queda nesta onda pode ser fatal.

Dungeons, Hout Bay, África do Sul

Bem próximo da Cidade do Cabo, Hout Bay está num vale da costa atlântica da Península do Cabo (onde ficam o Cabo da Boa Esperança e o Cape Point). Entre esta paisagem magnífica da África do Sul encontram-se algumas das maiores ondas do mundo.

O “spot” de Dungeons é conhecido pelas ondas enormes, podem chegar aos 14 metros, mas também pelas águas geladas, pedras e pela presença de tubarões brancos.

Pipeline, Oahu, Havai

A dimensão das ondas de Pipeline não é comparável com as ondas de Nazaré mas, ainda assim, fazem parte deste roteiro. Além de serem grandes, podem ultrapassar facilmente os 3 metros, são também um dos tubos mais perfeitos, sendo, por isso, mundialmente conhecidos.

Apesar da beleza estonteante da ilha de Oahu, no arquipélago do Havai, Pipiline também esconde os seus perigos: as ondas quebram num fundo raso de pedra, o que tem causado muitas lesões e mortes neste sítio de surf.

Havai: o arquipélago mais isolado do mundo é um paraíso tropical
Havai: o arquipélago mais isolado do mundo é um paraíso tropical
Ver artigo

Waimea Bay, Oahu, Havai

E se os tubos perfeitos de Pipeline não são suficientes para despertar o surfista que há em si, tem que conhecer as ondas gigantes de Waimea Bay, que podem atingir os 25 metros. É um dos locais de surf de ondas grandes mais antigos e conhecidos do mundo.

Peahi, Maui, Havai

Continuamos a viagem pelo Havai, com paragem na ilha de Maui. Também conhecido por Jaws, Peahi é mais um lugar incrível para quem gosta de observar o poder do mar. Com ondas que podem ultrapassar os 18 metros, Jaws localiza-se na costa norte de Maui. O acesso é difícil e a entrada para o mar é feita através de rochas. Mais um lugar só acessível aos surfistas mais experientes e profissionais.

Ghost Tree, Pebble Beach, Califórnia, EUA

Com águas gélidas, tubarões e rochedos escondidos, este é mais um "spot" assustador de ondas gigantes, que podem atingir os 20 metros.

A zona de Pebble Beach é também conhecida pelas belas paisagens costeiras, campos de golfe e resorts. Um ponto de paragem para quem visita a Península de Monterey.

Mavericks, Half Moon Bay, Califórnia, EUA

Nas águas agitadas da Califórnia há mais um “spot” de ondas gigantes. As águas frias, que não ultrapassam os 15 graus, e as grandes pedras no fundo do mar são características desta praia com ondas que podem chegar aos 20 metros.

Mavericks, Half Moon Bay, Califórnia, EUA
Mavericks créditos: AFP

A cidade costeira de Half Moon Bay tem várias praias protegidas e rodeadas por falésias. Um local para conhecer a costa mais deserta e grandiosa da Califórnia.

Punta de Lobos, Chile

Esta praia tem algumas das melhores ondas do Chile, que podem ir de 1 aos 10 metros, permitindo que surfistas de vários níveis possam ter a experiência de surfar em Punta de Lobos, classificada como reserva mundial de surf.

Punta de Lobos faz parte da cidade de Pichilemu, no centro do Chile. As suas praias de areia escura são internacionalmente conhecidas.

Belharra, França

No País Basco francês estão algumas das maiores ondas da Europa. Em Belharra, estas podem chegar aos 15 metros. Localizada no Golfo da Biscaia, nem sempre é possível observar a formação de grandes ondas em Belharra – o vento é um fator essencial. Porém, as últimas “aventuras” de surfistas nestas águas colocaram este “spot” no roteiro mundial de ondas gigantes.

Puerto Escondido, Oaxaca, México

Com praias para todos os gostos, o município de Puerto Escondido tem uma das mais procuradas ondas do México. A praia de Zicatela é conhecida pelos diversos eventos de surf. Nos dias “grandes”, as ondas podem chegar aos 10 metros.

Queensland: natureza intocada na Austrália
Queensland: natureza intocada na Austrália
Ver artigo

Shipstern Bluff, Tasmânia, Austrália

As imagens das ondas deste sítio impressionam pela forma diferente. Também conhecido como Devil’s Point, não fica numa praia mas num “spot” a 30 quilómetros de barco ou jet ski a partir da costa. É, por isso, uma das mais selvagens localizações de surf do mundo e os tubarões andam sempre a rondar a área. Só para surfistas muito corajosos.

A Tasmânia é uma ilha e um estado da Austrália, conhecida pelas suas paisagens paradisíacas e remotas.

The Right, Austrália ocidental

Mais uma onda pesada e difícil de ser surfada na Austrália. Podendo atingir os 18 metros, as ondas de The Right também só estão acessíveis de barco, o que faz com que este “spot” seja um dos mais difíceis de alcançar e menos surfado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.