Esta cidade alemã, no estado da Baviera, não foi propositadamente construída de diamantes, porém, um fenómeno natural fez com que estas pedras preciosas acabassem por fazer parte das construções mais antigas de Nördlingen.

A cidade, cujos os primeiros registos datam do século IX, foi construída com pedras carregadas de milhares de pequenos diamantes. Os seus primeiros habitantes não faziam a menor ideia do "conteúdo" das pedras que foram utilizadas para erguer os muros e os edifícios de Nördlingen.

Como explicar esta situação? Cientistas afirmam que há cerca de 15 milhões de anos o impacto de um asteroide gerou uma cratera, hoje conhecida como Cratera de Nördlingen. O impacto do asteroide sobre o solo rochoso fez com que bolhas de carbono se transformassem em pequenos diamantes dentro das pedras da zona de colisão - que, depois, serviram de matéria-prima para a construção da cidade.

Estes pequenos diamantes incrustados na rocha têm, na sua maioria, 0,2 milímetros, passando quase despercebidos ao olho humano.

Durante muito tempo, julgou-se que Nördlingen tinha sido construída junto a um vulcão extinto e que por causa disso as rochas tinham aquele aspecto brilhante. Foi com a visita de dois geólogos norte-americanos, em 1960, que a história foi reescrita. Os cientistas descobriram que a cratera não correspondia a um vulcão mas sim ao impacto de um asteroide.

Geólogos locais estimam que entre os muros e edifícios de Nördlingen existam cerca de 72 mil quilos de diamantes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.