Nuno Fernandes, um dos mentores do programa Walking Mentorship, relata na primeira pessoa a caminhada que está a realizar neste momento com a sua filha Inês, de 12 anos ( inserido num grupo), na costa da Galiza. Um momento único entre pais e filhos, para criar memórias.

A caminhar para a melhor versão de nós mesmos

No terceiro dia do programa partimos de Portonovo em direção ao Mosteiro de Sta Maria de Armenteira. Rapidamente entramos no na serra que nos separa de Lores, onde vamos tomar a Ruta do Rio Chanca, também conhecida como dos moinhos pela quantidade de moinhos de água que a ladeiam.

Mais um ribeiro que um rio, na verdade, mas muito bonito e alegrando a nossa subida com o som fresco da água corrente. Continuamos as dinâmicas do survival kit, caminhando sempre para a melhor versão de nós mesmos. É dia de inventário e os participantes são convidados a listar as suas forças e fraquezas pedindo feedback através dos seus telemóveis.

Um pé atrás do outro vamos vencendo a subida e fortalecendo as nossas certezas nas respostas que procuramos no survival kit. Vamos parando frequentemente para descansar um pouco e beber água. A 4/5 da subida uma das participantes sofreu uma contratura nas costas. Rapidamente o grupo se organizou para a aliviar da mochila e a corajosa participante continuou o seu caminho para a meta desse dia.

A chegada a Armenteira e à sua simpática pousada são uma recompensa merecida e o descanso desejado para o dia que se segue.
O troço seguinte, o mais longo deste caminho, leva-nos de Armenteira a Vila Nova de Arousa, pela Ruta da Auga e da pedra e ao longo do rio Umia, até Ponte Arnelas e depois para Vilanova de Arousa, a que chegamos pela Praia.

É um caminho desafiante que nos acompanha no exercício deste dia, que começa a olhar para a relação de mãe/pai e filho(a). Apesar de ser só o 5º dia do programa já todos perdemos a noção do tempo, que esticou absurdamente. O companheirismo que se foi construindo começa a dar os seus frutos em conversas muito mais profundas e feedback muito mais genuíno.

"Estes cinco dias equivalem na verdade a muito mais, pois foram vividos na plenitude do momento"

Tudo ganha uma profundidade e uma autenticidade lavadas pelo esforço partilhado e pela confiança construída no tempo. Estes cinco dias equivalem na verdade a muito mais, pois foram vividos na plenitude do momento. Os sorrisos são sinceros, as gargalhadas espontâneas e as lágrimas genuínas e confiantes na cumplicidade dos companheiros de caminho.

Parece magia, mas é só o efeito do camiño. Certo e fiável como sempre, desde tempos imemoriais, trazendo clareza e verdade aos corações de quem o faz com uma intenção pura.

Amanhã de manhã seguimos nas pegadas do Apóstolo, subindo de barco o curso da ria de arousa e depois do tio Ulla, por onde as suas relíquias chegaram à Galiza, aproximando-nos cada vez mais do nosso destino em Santiago de Compostela, e da melhor versão de nós próprios, mas isso fica para a próxima...

Texto: Nuno Fernandes (Walking Mentorship)

Leia também a primeira parte desta caminhada.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.