Weimar, no leste do país, pode, com as suas pequenas ruas de paralelos e o seu charmoso centro histórico, parecer um local de nascimento surpreendente para este movimento, moderno e minimalista, fundado em 1º de abril de 1919 pelo arquiteto e designer alemão Walter Gropius.

Após os horrores da Primeira Guerra Mundial, "os artistas reuniram-se para criar uma nova forma de arte, com ideias bastante utópicas e idealistas", explica Anke Blümm, curadora da Fundação Bauhaus em Weimar.

Seguindo a doutrina de "a forma segue a função" - o prático prima sobre a estética - , a Bauhaus desejava criar objetos ou prédios de desenho acessível para todas as classes.

Este ano, Weimar, também conhecida por ser a cidade de Goethe, será o coração das comemorações da Bauhaus no país e espera atrair turistas de todo o mundo.

Weimar
Edifício da Universidade da Bauhaus em Weimar créditos: Ralf Herrmann / CC BY-SA 2.0

Um novo museu abrirá portas na primavera e a "Haus am Horn", primeira casa branca de teto plano (característica da corrente Bauhaus) construída segundo os princípios da escola, em 1923, voltará a receber o público em maio.

A corrente Bauhaus "é uma de nossas exportações culturais mais influentes", disse o chefe de Estado alemão, Frank-Walter Steinmeier, no arranque das comemorações.

Diáspora e influências à escala global

Quando o regime nazi a proibiu, em 1933, vários artistas deixaram a Alemanha, criando uma diáspora que espalhou a cultura da Bauhaus pelo mundo.

As construções com este selo mais conhecidas fora da Alemanha são a sede da ONU, em Nova Iorque, com linhas puras, ou a "Cidade Branca" de Telavive, inscrita no Património Mundial da Unesco, com os seus 4 mil apartamentos de fachadas brancas e lisas e esquinas e varandas frequentemente arredondados.

Sede da ONU em Nova Iorque
Sede da ONU em Nova Iorque créditos: Padraic Ryan / CC BY-SA 3.0

Também há diversos objetos do cotidiano da época, como as famosas cadeiras, e os quadros ou fotografias expostos em museus. Sem levar o selo Bauhaus, as mesas da gigante sueca Ikea e a maioria dos smartphones herdaram o seu estilo.

A escola conta também com pintores renomados, como o russo Wassily Kandinsky e o suíço Paul Klee, figura do surrealismo, embora este último tenha acabado por se distanciar do movimento, por considerá-lo muito fundamentalista.

A Bauhaus era movida por uma visão reformista e inspirada nos progressos tecnológicos que se seguiram à Grande Guerra.

Para o historiador Winfried Speitkamp, diretor da Universidade da Bauhaus em Weimar, o objetivo era construir, através da arte, uma nova sociedade democrática sobre as ruínas do império germânico. "Queriam acabar com a monarquia, muito autoritária e militarista."

Como a República de Weimar, a Bauhaus tornou-se rapidamente alvo dos nazis nos anos 1920. "É típico da extrema-direita considerar qualquer movimento que propague novas formas de cooperar e criar, uma abertura e diversidade, algo perigoso", assinala Speitkamp.

Isto embora, como destaca o semanário "Die Zeit", o movimento evitasse se comprometer contra os poderes políticos, para, desta forma, manter o apoio financeiro vital do Estado. "Gropius insistia em que a Bauhaus não era nem bolchevique, nem judaica, nem alemã", lembra a publicação, um tanto crítica com a apresentação idílica que se faz do movimento 100 anos depois.

Agora, num momento de auge nacionalista em vários países da Europa e do mundo, os festejos da Bauhaus dão lugar ao debate. "Queremos seguir o caminho da globalização ou precisamos reforçar nossas fronteiras e definir uma nação por sua etnia?", questiona Speitkamp.

Fonte: Deborah Cole/AFP

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.