Se está a pensar visitar o Japão pela primeira vez, aqui ficam algumas dicas das 10 experiências que pode ter para tornar a sua viagem ao país do sol nascente inesquecível.

1. Ficar alojado num ryokan

ryokan
créditos: Geeky Explorer

Os ryokans são os alojamentos locais típicos japoneses que remontam à altura do período Edo. Eram os locais de eleição para curtas estadias de comerciantes e viajantes que se deslocavam entre as principais cidades.

Ainda hoje, os ryokans preservam as tradições dessa altura. Os visitantes dormem em colchões de tatami no chão (mais confortável do que parece!) e as refeições são servidas no quarto. Normalmente, o pequeno-almoço está incluído e o jantar é opcional. As casas-de-banho são partilhadas e podem incluir onsen, os típicos banhos termais japoneses.

Ao viajar para o Japão, aconselho vivamente a ficar num, nem que seja por uma noite.

Importante saber:

Estes alojamentos são típicos de aldeias e vilas mais rurais como Nikko, Hakone, ou Takayama. O preço por noite é mais elevado por comparação com hotéis convencionais.

2. Mergulhar na organização caótica de Tóquio

Tóquio
créditos: Geeky Explorer

Com cerca de 37 milhões de habitantes, a área metropolitana de Tóquio é a mais populosa do mundo. Suba ao topo do Tokyo Metropolitan Government Building para ver a real extensão da malha urbana com o Monte Fuji no horizonte, é impressionante!

As multidões nas mais de 800 estações de comboio e metro são intimidantes. Só a estação de Shinjuku, em Tóquio, tem mais de 200 saídas e recebe 3,6 milhões de passageiros diariamente. Há mais de 160 mil restaurantes na cidade, com comida para todos os gostos, desde locais de ramen low-cost até alta cozinha internacional. 

Shinjuku (o distrito de lojas e empresas), Akihabara (o distrito de videojogos) e Harajuku (o epicentro da cultura kawaii) estimulam todos os 5 sentidos numa cidade verdadeiramente eléctrica, vibrante e contagiante.

Importante saber:

Apesar dos números serem impressionantes, a eficiência e a organização são palavras de ordem. As multidões andam ordenadamente, os comboios são pontuais ao segundo e no geral a cidade é muito menos caótica do que o expectável. 

Os inúmeros templos como o Sensō-ji ou Meiji Jingu e parques de Yoyogi e Shijuku Gyoen ajudam a encontrar a paz no meio do caos.

3. Comer ramen

ramen
créditos: Geeky Explorer

Um dos maiores mitos acerca de viajar no Japão é de que é tudo caro. É verdade que os transportes e o alojamento podem causar estragos em qualquer carteira, mas comer até pode ser bastante acessível. 

A melhor prova são os restaurantes de ramen. Considerado a principal fast-food japonesa, uma porção custa a partir de 700 yen. Já tinha provados muitos ramen anteriormente, mas nada comparável à complexidade de sabor dos do Japão. O meu favorito foi nos restaurantes Ichiran.

Importante saber:

Ramen é como uma “sopa” de noodles tipicamente servidos numa tigela. Há diversas variedades, mas normalmente incluem carne, algas, menma, cebolinho num caldo de carne ou peixe, podendo ainda conter miso ou molho de soja.

4. Andar nos comboios-bala

shinkansen
créditos: Geeky Explorer

É impossível visitar o Japão sem andar pelo menos uma vez num shinkansen, um comboio-bala. É a maneira mais rápida e cómoda de viajar entre as maiores cidades japonesas, podendo atingir uma velocidade de 320 km/h. 

Os comboios são extremamente pontuais, por isso, chegue bem cedo à estação antes da sua viagem.

Importante saber:

Um bilhete individual de shinkansen pode sair bastante caro. Para uma viagem de 2 semanas ou mais, é recomendável adquirir um Japan Rail Pass com viagens ilimitadas entre cidades.

5. Visitar um jardim

Jardim
créditos: Geeky Explorer

Depois de visitar os jardins no Japão, todos os outros me parecem inferiores por comparação. Mas, afinal, que têm de especial?

Os jardins japoneses são considerados uma forma de arte e são planeados detalhadamente desde o início. Há seis regras mestras essenciais que devem ter, incluindo “espaço”, “reclusão”, e “fluxo de água”. Até a posição de cada pedra, árvore ou planta é rigorosamente pensada para tornar o espaço o mais relaxante e agradável possível.

Importante saber:

Há centenas de jardins espalhados pelo país, mas três deles são considerados “Os Grandes Jardins do Japão”: Kenroku-en em Kanazawa, Koraku-en em Okayama e o de Kairaku-en em Mito.

6. Caminhar por entre centenas de veados em Nara

Nara
créditos: Geeky Explorer

Definitivamente um dos sítios mais fantásticos em que já estive. Nara foi a primeira capital do Japão e tem alguns dos mais bonitos templos do país, incluindo o Todai-ji que até recentemente detinha o recorde mundial de maior edifício de madeira do mundo.

Mas as verdadeiras atrações em Nara têm quatro patas e vagueiam pacificamente pelos parques e ruas da cidade. Os mais de 1200 veados são considerados “tesouros nacionais”, que os japoneses acreditam ser mensageiros dos deuses.

Importante saber:

Os veados em Nara são normalmente pacíficos e estão habituados a multidões. É possível alimentá-los com bolachas compradas no local, momento em que alguns podem fazer uma vénia como forma de agradecimento. Outros no entanto podem-se revelar mais agressivos ao ver alimento, por isso tem cuidado!

7. Explorar os templos de Quioto

Quioto
créditos: Geeky Explorer

O contraste que a cidade de Quioto emana é fascinante. Por um lado, é uma cidade cosmopolita e futurista, com todas as comodidades de uma sociedade ocidental.

Por outro lado, a sua vertente mais tradicional e autêntico é uma óptima oportunidade para conhecer como era o Japão no período Edo, que fechou o país em si mesmo durante os séculos XVII e XVIII.

Para além do distrito das geishas e maiko, Gion, uma das maiores atracções de Quioto são sem dúvida os seus templos. Há mais de 3000 na cidade por isso há que fazer escolhas; não percas o templo de Kinkakuji coberto em folha de ouro e os jardins à volta nem o Fushimi-Inari Taisha, o famoso templo dedicado a Inari, o Deus do Arroz. Fazer o caminho sagrado na floresta, marcado por mais de 12,000 portões laranja (os torii) é uma das minhas melhores memórias do Japão. 

Importante saber:

Quioto é extremamente turístico durante todo o ano, especialmente nos meses de Abril-Novembro. Para evitar multidões e apreciar melhor a beleza dos templos, visite-os de manhã (a partir das 8h).

8. Dormir num hotel-cápsula

hotel-cápsula
créditos: Geeky Explorer

Tal como os ryokans, os hotéis-cápsula são outro dos alojamentos mais característicos do Japão. Ia com expectativas que fosse uma variante de um hostel e, honestamente, mentalmente preparado para muito ruído e uma noite mal-dormida.

Na verdade, a experiência foi bastante mais pacífica. Desde o kit de boas-vindas que inclui pasta e escova de dentes, uma manta, chinelos, e um pijama completo, até ao silêncio nas áreas comuns fez com que a noite fosse bastante confortável. Na verdade, a relação qualidade-preço é imbatível!

Importante saber:

Os hotéis-cápsula são mais populares em grandes cidades, particularmente em Tóquio. Pessoalmente, fiquei no Nihonbashi Muromachi Bay Hotel, perto de Tokyo Station, mas há bastantes mais opções. Se viajar com mais pessoas, atenção que há zonas separadas de homens e mulheres. 

O receio que muitos têm é a claustrofobia. Honestamente, da experiência que tive, o espaço é confortável (dá para 1.5 pessoas), está muito bem iluminado e equipado com ar condicionado e televisão.

9. Visitar na época das cerejeiras em flor

hanami
créditos: Geeky Explorer

A melhor altura para viajar para o Japão é na altura das cerejeiras em flor: hanami. Este fenómeno natural é celebrado em jardins e parques com muitas garrafas de sake e caixas bento.

As flores começam a abrir no sul do país por volta de janeiro-fevereiro em Okinawa, num fenómeno que se alastra gradualmente ao resto do país. Nas cidades principais do Japão, Tóquio, Quioto e Osaka, acontece habitualmente em inícios de abril. Há reportagens e previsões detalhadas de quando se podem esperar mantos cor-de-rosa nas árvores, o que dá uma ideia do quão importante é este evento na cultura japonesa.

Importante saber:

A altura do hanami é também a altura mais cara para visitar. O número de turistas - tanto internos como externos - aumenta exponencialmente por isso planeia a tua viagem o mais cedo possível.

10. Ir a um izakaya

izakaya
créditos: Geeky Explorer

Izakayas são a versão japonesa de pubs onde se vai descontrair depois de um dia de trabalho e começar um serão de comida e bebida típicas.

Um jantar nestes pubs assemelha-se a tapas/petiscos mediterrânicos no que respeita ao tamanho das porções. Por isso, para além de conhecer locais, um izakaya é a oportunidade ideal para provar um grande número de iguarias locais, como yakitori (espetadas de frango), fritos, vegetais, tofu e marisco. 

Importante saber:

izakayas para todos o tipo de comida, decoração, e preços. Em Tóquio, a zona mais popular é a Yokocho Alley, mas para uma versão mais moderna, vá ao 35 Steps Bistro em Shibuya. 

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.