O Santuário do Bom Jesus tem em curso uma candidatura a Património Mundial da Humanidade da UNESCO. Também por isso, refere o presidente da TPNP, é importante criar “condições para acolher os turistas, nomeadamente ao nível da segurança e sinalética ao longo do circuito de visita”. Recordando que “estamos a falar de um local que recebeu cerca de 1,1 milhão de visitantes em 2018”. Luís Pedro Martins realçou ainda “o trabalho notável que está a ser feito na valorização do património”. “Estão a ser criadas condições para permitir que as próximas gerações continuem a visitar este santuário”, frisou.

O arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, sublinhou que “o Bom Jesus nasceu para unir pessoas. Começou com uma capelinha pequena que foi crescendo com a criação de albergues para acolher peregrinos. Hoje acolhemos peregrinos e turistas, porque o Santuário é, de facto, património do mundo, já não pertence só à Igreja”. “Braga pode estar contente com o trabalho que aqui está a ser feito. E a TPNP pode crer que estamos em condições para acolher mais turistas”, acrescentou D. Jorge Ortiga.

Varico Pereira, vice-presidente da confraria do Bom Jesus, explicou que “estamos a trabalhar na área do restauro do Santuário, mas também na melhoria das condições de quem o visita, sejam eles turistas ou peregrinos”. “Vamos ter novos espaços para serem visitados, como é exemplo o Coro Alto, onde foram descobertos alguns tesouros que vão ser expostos; bem como a vista do Bom Jesus a partir da torre do santuário”, acrescentou.

O vice-presidente defendeu que “o grande objetivo do Bom Jesus é a candidatura a Património Mundial da Humanidade da UNESCO, onde a TPNP é um aliado estratégico na promoção interna e externa do Bom Jesus e desta candidatura”.

Fonte: Turismo do Porto e Norte de Portugal

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.