O artista francês JR com ajuda de 400 voluntários trabalhou durante cinco dias para juntar dois mil pedaços de papel, uma colagem que provocava uma ilusão de ótica. Porém, depois de ter sido aberto ao público no sábado, o trabalho começou a perder a sua forma e foi destruído, tendo durado apenas algumas horas.

O artista usou o Twitter para reagir ao sucedido: "As imagens, como a vida, são efémeras. Uma vez colada, a obra de arte vive sozinha. O sol seca a cola leve e a cada passo as pessoas rasgam pedaços do papel frágil. O processo é sobre a participação de voluntários, visitantes e caçadores de lembranças."

O próprio Louvre emitiu um comunicado sobre o sucedido, onde, de acordo com o jornal britânico The Independent, esclarece: "É bastante normal que tenha sido destruído, nós só não sabíamos o quão rápido isso iria acontecer. O calor fez a cola secar. Esperava-se que, de qualquer maneira, o trabalho já teria desaparecido na segunda-feira, por isso está tudo bem."

Apesar da naturalidade com a qual tanto o artista quanto a instituição olharam para o sucedido, nas redes sociais as criticas não se fizeram esperar.

O jornalista Kevin Lheritier apelidou o trabalho de um "desastre ecológico". E acrescentou: “Nas telas, o resultado é lindo, mas no chão: uma catástrofe, papéis a voar por aí. Os visitantes não respeitam nada."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.