"A COVID-19 causou muitas mudanças na vida dos londrinos, não apenas em nosso dia a dia, mas também em nossa relação com o sono e os sonhos", afetados pela ansiedade e o stress, destaca o Museu de Londres.

Trata-se de "coletar sonhos na forma de histórias orais (...) e explorar os esclarecimentos que os sonhos podem oferecer em termos de saúde mental e mecanismos para enfrentar o stress externo, principalmente em tempos de crise", explicou o museu dedicado à história da capital britânica. Será "a primeira vez que sonhos serão coletados por um museu".

Denominado "Guardiões do sono", fórmula inspirada no fundador da psicanálise Sigmund Freud, o projeto é realizado em colaboração com o Museu dos Sonhos da Universidade Ocidental de Ontário, no Canadá.

Faz parte de uma iniciativa do Museu de Londres, que busca reunir objetos e depoimentos relacionados à pandemia, assim como já fazem outras instituições pelo mundo.

Em fevereiro de 2021, os participantes serão convidados a compartilhar seus sonhos em entrevista por videoconferência realizada com uma equipa de profissionais.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.