Das colinas do Hérault à Alsácia no nordeste do país, muitos proprietários já começaram a colher as cepas, após ondas de calor intensas.

A maturação da uva chegou a provocar uma colheita no final de junho em Roussillon, algo excecional. A tendência é de que as colheitas no resto do país comecem de uma a três semanas antes do previsto.

"Fomos surpreendidos, [as uvas] começaram a amadurecer muito rapidamente nos últimos dias", explicou Francois Capdellayre, presidente da cooperativa vinícola Dom Brial em Baixas, perto de Perpignan (sudeste).

"Nunca em trinta anos uma colheita começou no dia 9 de agosto", declarou Jérôme Despey, proprietário na região do Hérault.

A uva seca

Como outros muitos agricultores, os viticultores franceses estão se a adaptar de forma gradual à nova realidade climática. Mas a seca excecional deste ano, com um mês de julho que bateu recordes sem precedentes desde 1961, e os picos de calor aceleraram as coisas.

Somente 10% dos vinhedos franceses utilizam sistemas de rega artificial, que podem ser muito caros e complicados de instalar.

As parreiras são plantas especialmente resistentes, cujas raízes penetram profundamente na terra à procura de água.

Os viticultores historicamente preferem o sol ao excesso de chuva porque o stress hídrico favorece o nível de açúcar na uva. E as chuvas fora do ciclo natural da primavera provocam o aparecimento de cogumelos.

Mas a situação atual ultrapassa o previsto.

Quando há muita escassez de água, a colheita se protege ao perder folhas e deixando de fornecer nutrientes às uvas, o que interrompe o seu desenvolvimento.

"Não caiu uma gota de água em dois meses", explicou na Alsácia Gilles Ehrhart, presidente da associação regional de viticultores.

"Vamos ter uma colheita muito, muito pequena", prevê o veterano agricultor.

Quando a temperatura ultrapassa os 38º graus, "a uva seca, perde volume e a qualidade cai" explica.

O nível de açúcar torna-se excessivo e isso provoca uma taxa de álcool "muito elevada para os consumidores", afirma Pierre Champetier, presidente da Denominação de Origem Protegida da região de Ardèche, ao sul de Lyon.

Champetier começou a colher a uva na última segunda-feira. "Há 40 anos começávamos no dia 20 de setembro", lembrou.

Resistir até ao último momento

Alguns produtores resistem até ao último momento, à espera de algumas gotas d'água.  É o caso de alguns produtores do Hérault, onde a colheita deveria começar no início de setembro.

Há dois anos, Borgonha experimentou a colheita mais prematura em quatro séculos. Foi no dia 16 de agosto. Este ano, está prevista para o dia 25 de agosto.

No vale do Ródano, mais ao sul, "a maturação foi adiantada em mais de 20 dias em relação ao ano passado", indicou a associação local de produtores.

Os viticultores desta região esperam que a qualidade não seja afetada.

Em Champanhe (nordeste), a colheita começará no final de agosto. Os viticultores calculam uma perda de nove por cento devido às geadas e a tempestades de granizo durante a primavera.

Na região de Bordeaux, a colheita das uvas destinadas aos brancos espumantes começou a 17 de agosto. Em seguida, a colheita será para os brancos secos, os doces e finalmente os vinhos tintos, que dão fama à região.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.