O motor de busca de alojamentos Holidu elaborou um guia dos destinos mais turísticos da Europa que cobram este imposto aos seus visitantes.

Muitas taxas são introduzidas com pouca antecedência, à medida que a alta temporada se aproxima. Boa parte dos viajantes não percebem que um imposto está em vigor porque as taxas são geralmente incorporadas aos preços da acomodação. Para aumentar a confusão, os impostos variam muito de país para país - até de cidade para cidade.

O que há de novo em 2018?

A partir deste verão, os visitantes das Ilhas Baleares espanholas, incluindo as ilhas Maiorca, Menorca, Ibiza e Formentera, pagarão o dobro de impostos com relação ao ultimo ano. Isso aplica-se a todos os turistas com idade acima de 16 anos. Embora seja um pouco diferente dependendo do tipo de acomodação, a taxa média será de € 3 por pessoa por noite, a partir de 1o de maio até 31 de outubro. Em 2017, esse valor era em média de € 1,5.

Este imposto, conhecido como o "Imposto para Turismo Sustentável", aplica-se a todos os tipos de alojamento de férias, incluindo, pela primeira vez na história, navios de cruzeiro. As mudanças devem-se aos esforços do governo das Ilhas Baleares para lidar com o turismo de massa na área. A receita gerada por este imposto irá para a proteção e manutenção dos recursos naturais das ilhas e ajudará a tornar as ilhas mais atraentes para os visitantes. O imposto ecológico não depende apenas da pessoa, mas também do tipo de alojamento alugado. Isto significa que uma taxa de turismo de € 4 será cobrada para quem ficar em qualquer alojamento de férias ou hotel de 4 estrelas, € 3 para um hotel de 3 estrelas e € 2 para uma pessoa num hotel de 2 estrelas, pousadas e acampamentos.

Ibiza
Ibiza créditos: Pixabay

Também em Espanha, as Ilhas Canárias, que incluem destinos de férias populares como Tenerife e Gran Canaria, estão a considerar seguir as Baleares e implementar o seu próprio imposto ecológico.

Em Portugal, Porto implementou um novo imposto em março deste ano, devido ao boom de turismo. Este novo imposto, de € 2 por pernoite por pessoa na cidade até um máximo de sete noites, aplica-se a qualquer viajante com mais de 18 anos. Lisboa já cobra a taxa municipal turística desde 2016 (1 euro noite).

A Grécia implementou um imposto de "stayover" a 1 de janeiro deste ano, com o objetivo de gerar receita para reduzir a dívida do país. A taxa varia entre € 0.50 e € 4 por noite, com base na classificação oficial do alojamento reservado, e os hóspedes são obrigados a pagar o imposto no momento do check-in. Para alugueres de férias, as taxas dependem do número de chaves dado ao hóspede: € 0,25 por 1-2 chaves, € 0,50 por 3 chaves, € 1,00 por 4. Na maioria dos casos, os impostos turísticos aplicam-se a B&B's e estadias em casa de férias, não apenas hotéis. Cada cidade ou município tem suas próprias variações: dependendo da lei local, muitos envolvem cálculos com base em uma taxa fixa ou percentual, número de hóspedes, número de noites ou tipo de propriedade reservada.

A Croácia também implementou algumas mudanças neste ano. A partir de janeiro de 2018, o imposto de estadia será um valor entre 2,5 e 8 kuna por pessoa e por noite (0,34 a 1,08 euros). Durante a alta temporada, esse valor será mais próximo de 8 kuna (cerca de 1 euro).

As maiores taxas turísticas da Europa

De acordo com os dados do Holidu, enquanto as férias mais caras para uma família de quatro pessoas durante a alta temporada estão localizadas em destinos populares como Mykonos, Santorini, Maiorca, Menorca, os maiores impostos estão na Itália.

Veneza
Veneza créditos: Pixabay

Veneza assume a liderança aqui, com uma média de € 5 por pessoa, por noite. "Tassa di soggiorno" é o termo para muitos impostos turísticos locais que foram lançados em toda a Itália em 2011. Geralmente, o imposto é um valor em euros correspondente à classificação do hotel ou acomodações e cobrado num determinado número de noites. O número máximo de noites correspondente ao imposto aplicado varia de lugar para lugar.

Outros locais de alto preço incluem Bruxelas e Amsterdão. Em Bruxelas, os viajantes precisam prestar atenção a uma fórmula em que se multiplica 3 € pelo preço da acomodação em número de noites. Em Amsterdão, onde os impostos são calculados de acordo com o custo do alojamento, os percentuais chegam a 6%.

Onde se paga menos

A Grécia é o país com os impostos mais baixos – a média em todo o país, é de cerca de € 0,25 por noite, por arrendamento (por 1-2 chaves dadas aos hóspedes). A seguir à Grécia encontra-se a Eslovénia, que é em média de 0,94 € em todo o país. Os impostos variam de região para região em Portugal, mas Lisboa é um dos destinos com os impostos mais baixos. Cada turista paga €1 por noite em impostos.

Outros locais que cobram uma média de € 1 por noite incluem as regiões francesas de Bretanha, Córsega, Côte d'Azur e Provença.

Lugares que não cobram aos turistas

Madrid não possui taxa de turismo, marcando a diferença de outras partes da Espanha: além do imposto turístico acima mencionado nas Ilhas Baleares, há também uma taxa diária que varia de € 0,45 a € 2,25 por pessoa na Catalunha.

Dinamarca e Reino Unido são exemplos de países que não adotam taxa de turismo, embora Bath possa se tornar a primeira cidade no Reino Unido a introduzir uma. No início deste ano, os planos foram elaborados para cobrar uma taxa extra por noite, mas até agora a proposta ainda não foi aprovada.

Fonte: Holidu

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.