Há um pouco de tudo e para todos os gostos no país da Heidi mas neste itinerário vou colocar o enfoque nas montanhas, nas aldeias pitorescas, na neve e nos lagos turquesa, que são o que a Suíça tem de mais distintivo.

Dicas importantes para planear a viagem:

Meio de transporte:

Comboio – O país tem um dos melhores serviços de comboios do mundo mas também um dos mais caros. Por isso, o melhor é comprar o Swiss Pass Travel. Praticamente todos os habitantes têm um passe, que tanto pode ser um mid tarif ou um AG, mas também há opções para não residentes. O cartão é válido para quase todos os comboios, autocarros e alguns teleféricos, barcos para além de dar acesso gratuito a mais de 500 museus. Resumindo, vale muito a pena.

As crianças até 6 anos não pagam bilhete em comboios, barcos, autocarros e teleféricos. A partir dos 6 anos viajam gratuitamente desde que acompanhados por alguém com um swiss travel pass.

Se pensarem usar o comboio apenas por um ou dois dias e tiverem alguém conhecido no país que vos arranje um tageskarte, podem conseguir uma solução mais económica para as viagens de comboio. Este bilhete é reservado nas Gemeinde/hotel de ville por um residente pelo preço de 44chf (mas pode ser usado por qualquer pessoa) e é válido para todas as viagens de comboio que conseguirem fazer durante um dia e dá também direito a pagar apenas metade da tarifa em quase todos os teleféricos.

Uma coisa interessante nos comboios suíços é que alguns têm uma carruagem com um parque infantil. Normalmente só existe nos comboios de médio/longo curso e é fácil dar com ela porque é a última e a carruagem tem uns desenhos.

suíça
créditos: Mundo Magno

Carro – Outra opção possível é usar carro próprio ou alugado. Se optarem por alugar e entrarem no país por Genebra ou Basileia, uma solução mais económica, é alugar carro no lado francês do aeroporto (estes dois aeroportos são partilhados com a França e têm uma secção francesa) e pedir autorização escrita para irem com o carro para a Suíça. Não esquecer que para circular nas auto estradas do país é necessário uma vinheta que custa 40CHF e é válida de 1 de dezembro de um ano a 31 de janeiro do ano seguinte. Normalmente os carros alugados já a trazem.

Autocaravana – Esta é provavelmente a opção mais económica de todas, especialmente se o veículo for próprio ou se o alugarem em França ou na Alemanha. Há muitos parques de campismo pelo país mas é também muito fácil dormir nas estações de serviço, nas zonas industriais ou, na verdade, em qualquer lado desde que não seja privado.

Quem nos acompanha sabe que temos uma que usamos quase todos os fins de semana e podemos garantir que é muito tranquilo acampar pela Suíça.

Suíça: roteiro de 14 dias escrito por quem lá vive (parte I)
Suíça: roteiro de 14 dias escrito por quem lá vive (parte I)
Ver artigo

Alimentação:

Não é novidade que as refeições são muito caras na Suíça. O país tem o Mac Donalds mais caro do mundo por isso nos outros sítios é ainda pior. Há poucas cadeias de fast food para além do referido Mac e também não existe muita comida de rua para além de algumas barracas de hot dogs.

Os supermercados maiores das cadeias Migros e Coop costumam ter um área de alimentação com preços um pouco mais em conta. Outra solução possível são os restaurantes do IKEA.

Mas ainda assim, a opção mais económica são os supermercados. O Migros, o Manor e o Coop são os mais caros. Os mais baratos são o Denner, o Lidl, o Aldi e o Ottos (embora este último não venda frescos).

A boa notícia é que praticamente toda a água na Suíça é potável e há fontes por todo o lado onde abastecer a garrafa. Não é aliás frequente ver-se por aqui alguém a comprar água engarrafada.

Lixo:

Nunca pensei que algum dia ia escrever uma secção sobre lixo num itinerário.

O depósito de lixo na Suíça, com exceção do cantão de Genève, é pago. Ou seja, é necessário comprar uns sacos de lixo próprios de cada cantão num supermercado do cantão correspondente, pois cada cantão tem um saco de cor diferente. Custam 25chf um rolo de 10 sacos de 35 litros!! Não coloquem lixo sem estar acondicionado nesses sacos nos contentores normais porque as coimas são elevadas. Normalmente nas estações de serviço conseguem-se encontrar alguns caixotes “livres”.

Onde dormir:

Quem não tiver familiares ou amigos na Suíça e não visitar o país de caravana vai ter de preparar um bom orçamento para o alojamento. É muito difícil encontrar algo a menos de 150CHF noite. Também não há muitos Airbnb por causa das regras apertadas para o alojamento temporário, para evitar que o já magro mercado imobiliário de arrendamento desapareça.

Como usamos a nossa autocaravana para dormir não temos experiências pessoais nesta matéria mas dificilmente os estabelecimentos hoteleiros disponíveis não serão de qualidade.

Suíça
créditos: www.deixei.com/photos

Multas de trânsito:

É muito difícil andar de carro na Suíça e não ser multado por excesso de velocidade ou outra coisa qualquer. Mas eu sou a prova, rara, de que é possível. Cinco anos de condução diária sem multas. Até os suíços ficam espantados com a minha proeza.

O limite máximo nas auto estradas é 120 Km/h mas há muitas exceções e é aí que os problemas costumam surgir. Os túneis são quase todos a 80 km/h, alguns até menos, e há muitas placas temporárias de limite de velocidade que surgem assim do nada.

Há muitos radares mas o pior, ou melhor, é que a polícia anda quase sempre pela estrada em carros descaracterizados. E as coimas são bem altas…

A título de exemplo, é proibido deixar o carro parado e ligado nem que seja um minuto (tenho uns amigos que foram multados por este motivo). Nas rotundas, mesmo aquelas muitos pequenas, é preciso fazer sempre o pisca. Conheço alguém cá em casa que já levou uma coima dessas por não ter feito um pisca, indo em frente, numa rotunda do tamanho de uma panqueca.

Saúde:

Tragam o cartão europeu de saúde. A saúde na Suíça é privada e os preços são estratosféricos.

Se vierem no verão e forem andar pelos campos e montanha, usem um spray contra as carraças. Se não trouxerem convosco basta ir a qualquer farmácia por aqui e pedirem Anti Bruum que vem numa embalagem amarela. Desde há cerca de dois anos têm ocorrido muitos casos de doenças provocadas pelas carraças. Quer a doença de Lyme, que também existe em Portugal, quer a Encefalite, esta última muito perigosa. Os residentes estão quase todos vacinados contra a encefalite, por recomendação do governo, mas quem não mora aqui não tem a vacina, por isso o spray (que nós também usamos por causa da doença de Lyme, para a qual não existe vacina) é muito importante.

Língua:

A língua mais falada nos 26 cantões da Suíça é o suíço alemão. Muita gente pensa que é o alemão mas o alemão é, normalmente, apenas usado na escrita. Ou seja, os suíços falam alemão mas em regra não usam a língua a não ser na escrita. E sim, o suíço alemão é bastante diferente do alemão e é ainda mais complexo gramaticalmente. A segunda língua mais falada é o francês, em 4 cantões e em algumas partes de outros 3, a terceira é o italiano e, finalmente, o romansh em algumas localidades do cantão de Graubünden.

Os suíços não gostam de falar em outras línguas que não seja a do seu cantão mas a maior parte dos estrangeiros que aqui vive, 50% da população no caso de muitos cantões, também fala inglês e não se importa de ajudar nessa língua. Claro, se falarem a língua local do cantão que estão a visitar ainda melhor…

Algumas palavras úteis em suíço alemão:

Olá: Grüezi ou sali, numa versão mais informal.

Olá a mais do que uma pessoa: Grüezi mittenand ou sali zämme

Adeus: Uf widerluege; tschüss, adé ou bis spöter

Desculpa: Es duet mr leid
Obrigado: merci (mas sem o sotaque francês, mais como mercy em inglês), merci vielmal ou dangge.

E agora a mais importante de todas…

Um copo grande de cerveja: En Chübel, es Groosses

Acompanhe as nossas aventuras mais recentes no Instagram Mundo Magno

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.