Por exemplo, onde vivemos, na Suíça, morrem todos os anos cerca de 80 pessoas em caminhadas de montanha (nos últimos anos o número de acidentes tem subido em média 5% a 10% por ano). Ou seja, mais pessoas do que a escalar, esquiar, incluindo mortes em avalanches.

Planear e ir bem preparado é fulcral para que tudo decorra em segurança e por isso deixo aqui algumas regras a ter em conta antes de calçar as botas de montanha:

1) Escolher um trilho em sintonia com a vossa capacidade física e experiência. Começar com objetivos mais simples e ir aumentando com o tempo. Nunca esquecer que o que conseguem caminhar em baixa altitude e em estrada normal não tem nada a ver com o que se consegue fazer em montanha.

2) Ver a meteorologia atempadamente num site ou app de confiança. Parece óbvio, mas muita gente esquece-se de voltar a ver a meteorologia pouco antes de subir para a montanha. A média e alta altitude o tempo muda abruptamente e muitas vezes o que parecia ser um dia de sol no dia anterior pode mudar drasticamente.

3) Pesquisar sobre a distância do trilho e, mais importante ainda, a inclinação e o tempo estimado de duração. Se for necessário apanhar teleféricos, comboios ou funiculares ver bem os horários e planear atempadamente o início e fim da caminhada de acordo com esses horários.

Na Suíça, onde grande parte das caminhadas em altitude começa com um qualquer transporte de montanha, não dá mesmo para facilitar com os horários sob pena de ficar retido ou ter de descer até à planície durante algumas horas e eventualmente na escuridão.

4) Usar bom calçado, ou seja, calçado adequado e adaptado ao trilho. Numa caminhada em terreno plano pode não fazer grande diferença, mas em montanha, onde na maior parte das vezes as inclinações são acentuadas e o terreno com pedra, gravilha e lama, usar calçado próprio para montanha é fulcral, incluindo para as crianças.

No meu caso opto por sapatilhas de caminhada ou botas de montanha consoante o terreno, o tempo e a duração. Em trilhos mais longos e terreno difícil opto normalmente por botas para ter estabilidade nos tornozelos e nos mais simples e com terreno mais estável opto pelas sapatilhas de caminhada.

5) Levar uma mochila impermeável com comida e água necessária para o tempo planeado e um pouco mais, para uma emergência ou um desvio. Barras de cereais, pão, queijo, fruta, termo com chá (nos dias frios) e o camel bag para a água fazem parte do nosso kit de montanha.

6) Levar sempre um impermeável leve, mesmo que a meteorologia não preveja chuva, e uma segunda camada quente, mesmo que se preveja um dia de verão. Aprendi a lição da pior maneira, numa caminhada a quase 3000 metros nos Alpes franceses, quando o Magno tinha 1 ano de idade e fomos apanhados por uma chuvada inesperada. Só tínhamos um casaco e um impermeável, que obviamente foram colocados à volta dele, mas tivemos de caminhar mais de uma hora completamente ensopados e gelados.

7) Antes de uma caminhada em média ou alta montanha, particularmente se forem sozinhos, avisem sempre alguém conhecido ou no refúgio de montanha onde estejam, do percurso e hora a que pensam chegar. Se algo de errado acontecer essa informação pode ser vital em caso de resgate.

8) Em caso de aproximação de tempestade voltar imediatamente para baixo. Não ficar no topo ou junto de árvores solitárias e procurar abrigo em zonas mais baixas.

9) Ter os contactos de emergência à mão. Para quem vive na Suíça aconselho vivamente tornarem-se patronos da REGA, o organismo de resgate em montanha da Suíça. Até hoje nunca precisámos de os chamar, mas já os vimos muitas vezes em ação e são incríveis. Temos sempre o número de emergência deles e o nosso número de associados connosco.

10) Meias de caminhada. Ou seja, meias feitas com material adequado e com costuras que fazem com que a meia não desça e provoque feridas ao caminhar. Em regra, são caras, mas valem cada cêntimo.

11) Não esquecer o protetor solar e chapéu. As maiores queimaduras solares que já tive foram na montanha. Vários escaldões depois já aprendi a lição e barro-me diligentemente em protetor solar 50 antes de começar.

Uma pequena curiosidade: sabiam que na Suíça existem mais de 65.000 km de trilhos de montanha sinalizados. Se os juntássemos todos dava para dar uma volta e meia ao nosso planeta. Vejam aqui mais curiosidades sobre a Suíça. Também poderão gostar de ler Regras de etiqueta e segurança em montanha.

Mais fotos e dicas aqui no Mundo Magno

Artigo originalmente publicado no blogue Mundo Magno

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.