De que cores pintamos o nosso sossego e tranquilidade? De verde, como a natureza, de azul, como o mar, de rosa, como a hospitalidade, de branco, como a paz. O Resort Monte Real, no concelho de Leiria, pinta a nossa estadia de todas estas cores e é uma lufada de ar fresco em qualquer estação do ano.

Numa vasta propriedade com cercade 24 hectares, encontramos três valências que cuidam de nós como um todo: um hotel, que combina tradição com modernidade, termas históricas, que remontam ao período romano, e um amplo Spa, onde a criatividade rima com descanso e boas energias.

Reza a lenda que a rainha Santa Isabel distribuía água termal aos doentes que a procuravam, durante as suas estadias com o rei D. Dinis, na povoação. No início do século XIX, foram construídos dois cubículos com uma banheira para quem quisesse beneficiar do poder curativo destas águas, mas foi já no século XX que um industrial da região adquiriu a propriedade das nascentes e construiu um balneário e um hotel, iniciando a divulgação das Termas que, entre os anos 50 e 80 chegaram a ser as mais frequentadas do país e até da Península Ibérica. Eram procuradas, sobretudo, por quem tivesse problemas digestivos, respiratórios e músculo-esqueléticos.

A degradação profunda dos edifícios acabaria por levar ao encerramento de termas e hotel, em 1989. Foram precisas duas décadas para que se recuperasse este património e surgisse, então, uma nova e revitalizada unidade hoteleira com 101 quartos, em
conjunto com as Termas, numa vertente mais clínica, e um Spa, construído de raiz, com uns impressionantes 1600 metros quadrados, numa vertente de bem-estar.

Em 2014, durante um rigoroso inverno, o rio Lis acabaria por transbordar das suas margens e inundou as Termas e o edifício do Spa, causando prejuízos avultados e obrigando ao encerramento das Termas, que se mantém até aos dias de hoje. Análises
à água indicaram alterações na sua composição, pelo que estão a ser feitos esforços, no sentido de, através de um novo furo, encontrar de novo a tal água com poderes curativos e milagrosos.

Apesar de funcionar há quatro anos sem esta valência, o Resort beneficia de uma localização central com acessos próximos, que facilitam a deslocação tanto de norte como de sul, e de uma envolvência privilegiada, estando perto do campo e do mar. A
praia mais próxima, da Vieira, no concelho da Marinha Grande, fica a cerca de 8 quilómetros. Há um silêncio que cativa, uma paz que se respira, um sossego que toma conta de nós neste empreendimento com amplas zonas verdes, situado no centro da
pequena vila.

Sob propriedade do fundo de investimento Discovery Portugal Real Estate, o Resort Monte Real, de quatro estrelas, é gerido pela marca Discovery Hotel Management que detém mais 14 unidades hoteleiras em todo o país. A aposta, garante Liliana Jerónimo,
assistente da direção, “é na informalidade, na hospitalidade e numa atitude original e ousada”. Tudo para que as pessoas se sintam cada vez mais confortáveis, envolvidas numa experiência que vai muito para além de ser um mero hóspede.

Além da vertente de lazer, que ocupa o Palace Hotel principalmente durante a primavera e o verão, há uma vertente corporate, com níveis de ocupação bastante expressivos. E há ainda uma sala para reuniões, congressos ou casamentos com capacidade para 250 pessoas.

Os amplos quartos têm uma decoração contemporânea com linhas simples e cores terra, a lembrar talvez que estamos rodeados pela natureza. Apenas a fachada do edifício mantém a traça original. Tem ainda piscina exterior, dois campos de ténis, um campo de mini-golf, um parque infantil e um lago artificial, além de percursos pedestres com equipamentos de ginástica e manutenção.

O restaurante Paços da Rainha merece, por si só, uma visita. Aberto ao almoço e jantar, para hóspedes e não hóspedes, apresenta um menu inspirado nos produtos da região. Com vários pratos de carne, bacalhau e polvo na ementa, fiquei intrigada com o
risotto de lavagante e gambas com “brunoise” de legumes e gengibre. Experimentei este delicioso prato, que sabe a mar, àquele mar inquietante que sabemos estar ali perto, depois de uma consistente e inspiradora sopa de feijão catarino. A terminar a
refeição, aceitei a sugestão e experimentei o fondant de abóbora, mousse de requeijão e gelado de canela, uma sobremesa criativa e original com sabores intensos, que combinam de uma forma equilibrada e explodem na boca em simultâneo, como se de
uma sinfonia se tratasse.

O sabor da abóbora ficou no meu pensamento e voltei a encontrá-lo ao pequeno-almoço na manhã seguinte. Há leite sem lactose, para além do normal, há fruta, crepes e um sem número de opções saborosas. Há vários tipos de pão, há queijo fresco e
requeijão e outras variedades de queijo e há uns doces caseiros divinais. Mas, para mim, o melhor é o de abóbora. É daqueles sabores que nos alimentam a memória no final de uma experiência e que nos fazem querer regressar.

Alimentado o corpo, falta cuidar do espírito. Com uma ampla oferta de massagens, tratamentos, envolvimentos ou esfoliações, o Spa funciona de forma autónoma do hotel, podendo, para usufruir dos seus benefícios, estar ou não ali alojado.

O Circuito SPA Monte Real é a forma mais simples de relaxar neste espaço e inclui a piscina aquecida com uma original cascata, jacuzzi, sauna, banho turco, uma zona de hidratação chamada “rain sky kneipp”, duches sensações, que brincam com os nossos
sentidos e replicam um dia de inverno e uma tempestade tropical, e uma zona de relaxamento, onde podemos calmamente beber um chá. Tem uma duração máxima de duas horas e um custo a partir de 16 euros.

Experimentei a massagem com a assinatura do resort, um protocolo manual, ora relaxante ora intenso, mas sereno, que ajuda a ativar a circulação sanguínea, a relaxar profundamente e a recuperar energias. Às mãos da terapeuta, junta-se o poder
calmante dos óleos com aromas de laranja, pinho, alecrim e silvestre.

De imediato, fui transportada para o meio da natureza, para junto do mar, pois ouvimos as ondas a quebrar na areia e os assobios do vento que, de vez em quando, dão vida aos espanta espíritos. A música dá uma pequena ajuda e a imaginação faz o
resto enquanto desfrutamos tranquilamente da massagem.

Sem pressa e sem correria, mas com um grande sorriso, deixamos o Resort e regressamos, inevitavelmente, à rotina, mas com a promessa de querer voltar e experimentar outros tratamentos, como a Chromo Float Bed, que nos dá a sensaçãode flutuar sobre uma cama de água aquecida a 35 graus. Vale a pena estar atento aos programas que vão sendo lançados ao longo do ano, como o da Páscoa, para casais e família, com duas noites e preços a partir de 326 euros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.