Após a quarentena, o sentimento de regressar a um hotel é parecido àquele que muitos de nós sentem horas antes de apanharem um avião: um nervoso miudinho que nasce de uma pequena insegurança e ansiedade.

O voltar a ficar num hotel também levanta dúvidas de como nos devemos comportar - é que queremos fazer a nossa parte para que tudo funcione da melhor maneira. Muitos leitores poderão não concordar e defender que as dúvidas serão em relação ao que não controlamos pois não sabemos até que ponto é seguro, contudo, é uma preocupação que temos antes de fazer a reserva e que em muitos casos diminui graças ao selo “Clean & Safe”.

Se a unidade hoteleira tiver o selo criado pelo Turismo de Portugal - como o Baía Grande -, sabemos que está a seguir as normas da Direção-Geral de Saúde e, por isso, respirar de alívio: há uma base segura para um ou mais dias de relaxamento.

De norte a sul do país, hotéis reabrem com o selo "Clean & Safe". O que podemos esperar?
De norte a sul do país, hotéis reabrem com o selo "Clean & Safe". O que podemos esperar?
Ver artigo

Vamos quebrar o gelo?

É enquanto fazemos o check-in que se vai quebrando o gelo e nem a proteção em acrílico no balcão o impede. O nervoso miudinho que nos acompanhou de Lisboa até Albufeira começa a ser substituído por um sentimento de alívio.

O distanciamento social não afastou a simpatia de quem nos recebe. Chegar a um hotel e sentir alguma da velha normalidade sabe quase tão bem como chegar a casa após uma longa viagem.

Após fazermos o check-in, recebemos uma folha A4 com toda a informação de que precisamos para a nossa estadia: os serviços que estão abertos, horários do bar, do restaurante, do pequeno-almoço, enfim, a folha esclareceu até as dúvidas que ainda não tínhamos mas que provavelmente iríamos ter. Aquela pequena atenção fez-nos sentir que o hotel estava a pensar no nosso bem estar durante a estadia. Sentimo-nos acolhidos.

Há no ar qualquer coisa de familiar, seja pelos pequenos gestos, pela simpatia dos colaboradores, pela relação que têm com alguns hóspedes - ao longo da estadia vimos que alguns já são “da casa”.

À hora do pequeno-almoço, na zona do buffet do hotel, um casal despediu-se do staff com um “até setembro”. Talvez essa atmosfera familiar derive do facto do Hotel Baía Grande ser parte de um negócio familiar. Situado em Albufeira, é o filho mais velho do grupo Hotéis Baía Algarve que conta também com o Hotel Baía Cristal, em Lagoa.

O Hotel Baía Grande nasceu em 2000 pelas mãos do proprietário, José Emidio, ao passo que o Hotel Baía Cristal foi adquirido em 2010 e depois completamente remodelado.

O Hotel Baía Grande em tempos de COVID-19

Baía Grande

Devido ao novo coronavírus, o Baía Grande esteve encerrado durante dois meses e reabriu a 08 de junho. Desengane-se quem acha que o período serviu para descanso. Com olhos postos no futuro incerto dos tempos de COVID-19, o hotel aproveitou para fazer remodelações e melhorias no serviço.

Ao SAPO, Catarina Emidio, filha do proprietário e responsável pela comunicação e marketing do grupo hoteleiro, considera que as maiores mudanças foram mesmo ao nível do serviço. Afinal, tiveram de mudar toda a forma que os hotéis trabalhavam.

Os colaboradores de ambos os hotéis do grupo participaram ainda em várias formações ao longo destes dois meses não só para receberem os hóspedes com segurança e confiança, mas também por ser importante darem um bom exemplo. “Se não estivermos de máscara, o cliente não vai estar”, exemplifica Emidio.

Limpeza assim, sim

Hotel Baía Grande

É provável que a limpeza nos hotéis nunca tenha sido tão rigorosa como nos dias de hoje. No caso dos Hotéis Baía Algarve, as áreas públicas e, em especial, corrimões, elevadores são higienizados pelo menos seis vezes ao dia.

E, entre nós, lembram-se dos objetos mais sujos de um quarto de hotel? Comandos de televisão e interruptores de luz constavam na lista. Talvez seja hora de reformular a lista, pois há hoje um cuidado redobrado com a limpeza. “Em termos de quarto, investimos em imensos produtos e utilizamos o nebulizador, que é aquela máquina que desinfeta tudo”, partilha Catarina Emidio.

Ocupação máxima: 50%

Hotel Baía Grande

Para já, o hotel só está a trabalhar com 50% de ocupação. Em relação à distribuição dos hóspedes é “quarto sim, quarto não”, exeto reservas em conjunto de grupos ou famílias. Há um período de 24 horas entre a saída do cliente e a limpeza do quarto onde este esteve hospedado.

No hotel existem dois quartos de isolamento de modo a prevenir qualquer situação de maior risco.

Visitámos o Hotel Baía Grande na segunda quinzena de junho e, nesta altura, a dinâmica de funcionamento do staff contrastava com a rara calma de Albufeira.

Para além das limpezas constantes no interior  e no exterior onde se encontram duas piscinas: uma para os adultos, a outra para as crianças, existem equipas definidas e disponibilizadas para acompanhamento de casos suspeitos de COVID-19.

O staff ainda não está todo a trabalhar, uma parte fica de prevenção, e entra caso um ou mais colaboradores tenham contacto com o vírus. “Estamos a falar de hotelaria”, explica Catarina. “Não é tão fácil fechar como se fosse, por exemplo, um restaurante. Estamos a trabalhar com clientes estrangeiros, principalmente, que depois têm de aguardar pelo voo e nós temos que garantir a segurança deles nesse período”.

A experiência no Baía Grande

Hotel Baía Grande

O quarto conquistou-nos mal entrámos. Tinha um ar fresco e era espaçoso suficiente para duas meninas acima dos 30 e um bebé de 21 meses.

À entrada, existia um pequeno hall onde podíamos deixar o calçado e a roupa que vestimos na rua. Em frente estava a casa de banho, o que é perfeito em tempos de pandemia, para lavarmos as mãos ou tomar banho antes de irmos para o quarto em si, mas há que salientar que existem dispensadores de gel à entrada e saída dos elevadores, assim como nos corredores.

A varanda, com vista para a piscina e com o mar no horizonte, convida-nos a tomar um copo ou a fazer uma refeição - existe uma oferta alargada no room service. Para quem tem filhos pequenos é perfeito para relaxar enquanto eles dormem a sesta.

Veja mais imagens do Hotel Baía Grande

Apesar das preocupações e dos tempos exigirem que todos façam a sua parte, o grupo hoteleiro procura que os clientes se sintam relaxados e procura também adaptar-se aos mesmos. Não existe um policiamento ou supervisão, espera-se apenas a colaboração dos hóspedes. Catarina Emidio dá o exemplo do bar da piscina. Embora todos os colaboradores utilizem máscara, os hóspedes não necessitam por ser ao ar livre.

Ainda no exterior, as espreguiçadeiras estão colocadas em pares de forma a respeitar o distanciamento aconselhado. Não existem lugares marcados, cabe a cada hóspede agir com bom senso, por exemplo, não ir para uma espreguiçadeira que foi acabada de usar e que ainda não tenha sido higienizada. A área em volta da piscina é tratada várias vezes ao dia assim como o equipamento.

Contactos do Hotel Baía Grande:

Praia da Coelha – Sesmarias, P.O. Box 1022, 8200-385 Albufeira
Tel: (+351) 289 583 500
Fax: (+351) 289 583 520
Email: info.bg@baiaalgarve.com
Coordenadas: 37.078615, -8.289179

Por perto:

Marinas de Albufeira e Vilamoura
Centro Comercial “Algarve Shopping”
Silves (cidade histórica)
Campos de Golfe e Parques Temáticos

Praia da Coelha: 750m
Albufeira: 3.5 km
Aeroporto de Faro (FAO): 45 km
Aeroporto de Lisboa (LIS): 255 km

Em relação ao pequeno-almoço, o hotel mantém o serviço de buffet, mas há diferenças. Os produtos quentes como ovos, panquecas, torradas são pedidos na mesa e apenas os produtos frios se mantêm em exposição.

No espaço de refeições, o hotel optou por reduzir a ocupação máxima para 50% de modo a limitar a proximidade e circulação dos clientes. Se necessário, utiliza o sistema de turnos para garantir a higienização do espaço entre clientes e o distanciamento social necessário. A medida pode ser aplicada à hora do pequeno-almoço.

Os serviços de transporte e SPA, incluindo piscina interior, sauna, banho turco e massagens, encontram-se temporariamente encerrados.

Descobrir ou redescobrir Albufeira

Praia da Coelha

Não são tempos fáceis devido às incertezas, no entanto, diz-nos Catarina, é a “altura ideal para  tirarmos férias perto de casa.” Afinal,  “o Algarve é um paraíso e está aqui tão perto que às vezes é escusado ir para fora.”

A tranquilidade nas redondezas do Hotel Baía Grande fazem-nos esquecer que estamos a apenas três quilómetros do centro. É um bom refúgio para quem quer tranquilidade sem perder de vista a civilização, ou seja, saber que ela está perto.

No nosso caso, optámos por ir de manhã à praia e aproveitar a piscina a tarde. Assim ajudamos a evitar aglomerados na praia e que outros tivessem a oportunidade de também desfrutá-la. Chegámos a visitar a Marina, quase vazia, ao final do dia. Partimos com a sensação de ter descoberto uma nova Albufeira, despida de gente e de animação, mais natural e genuína.

Veja ainda imagens do Hotel Baía Cristal Beach & SPA Resort

Encontre mais informações sobre os Hotéis Baía Algarve aqui

*O SAPO Viagens visitou o Hotel Baía Grande a convite do hotel

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.