Construída no século XIX, este alojamento local é uma bela casa senhorial, localizada a poucos quilómetros da Curia, da Mealhada e do centro de Anadia. A poucos passos da porta fica ainda a estação de comboios de Mogofores que nos permite chegar a Coimbra, por exemplo, em pouco mais de meia hora.

O edifício principal tem quartos neoclássicos restaurados e mobiliário tradicional. Algumas das camas são de dossel — perfeitas para os casais mais românticos.

Eu fiquei hospedada num dos apartamentos independentes que existem dentro do extenso terreno da casa. O apartamento duplex tinha uma boa sala, duas casas de banho, uma pequena cozinha e uma quarto adorável com uma janela em arco que parecia ter saído de um conto infantil. O único detalhe que posso apontar é que a casa de banho do piso superior podia beneficiar de uma remodelação, principalmente a banheira, que se notava ser bastante antiga.

A piscina interior era maravilhosa! Com amplas janelas e vistas sobre o jardim, as suas águas frias são absolutamente perfeitas para relaxar num dia quente de verão. Informaram-me que no inverno a piscina é aquecida, por isso este é um espaço que os hóspedes podem usufruir durante todo o ano. A instalação inclui também um banho turco, que não cheguei a usar.

Perto da piscina e a passear pelos terrenos da propriedade, estava sempre uma gatinha muito meiguinha e simpática que animava ainda mais o ambiente.

O pequeno almoço, servido numa das salas do edifício principal, foi outro dos pontos altos da estadia. Uma mesa farta, com queijo, requeijão, enchidos, doces, croissants, bolos caseiros, iogurte, frutas frescas, sumo natural… tudo com bom aspeto e tudo muito saboroso. A simpatia da anfitriã também merece ser mencionada.

Encantou-me saber que a história da Casa de Mogoferes confunde-se com a história do Portugal do séc. XIX. Foi durante este período conturbado, em que a instabilidade política fez emergir das revoltas liberais uma nova elite que, no ano de 1876, Albano Coutinho (filho) decidiu fixar residência em Mogofores e foi nesta casa e nesta terra que combateu pelos ideais republicanos e regionalistas, as forças monárquicas do concelho e do distrito “que não acompanhavam o justo movimento do seu tempo”. Albano Coutinho foi o primeiro Governador Civil de Aveiro após o 5 de Outubro e participou na formação do Centro Democrático e no Diretório do Partido Republicano Português. Proprietário rural de largas posses, interessou-se pelo desenvolvimento agrícola da Bairrada, estudando e fazendo estudar os cultivo e as culturas, as doenças e os tratamentos, os fatores de inibição e progresso da lavoura da zona.

A adega de sua casa foi um verdadeiro centro experimental de técnicas e métodos de vinificação, verdadeiro laboratório enológico. A ele se deve ainda o desenvolvimento do ensino agrário da Bairrada.

A cerca de 1,5km da Casa de Mogofores, na Quinta de S. Mateus, fica a adega da família Campolargo, que os hospedes poderão visitar (desde que informem essa intenção com a devida antecedência) e provar os vinhos e espumantes, feitos exclusivamente a partir de uvas próprias e ali produzidos por processo natural e tradicional.

Fiquei apaixonada por este lugar e recomendo muito a quem procura um lugar tranquilo para passar um fim de semana relaxado.

Sigam-me no Instagram e no Facebook

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.