A viagem de ida e volta é entre o Martim Moniz e os Prazeres, em Campo Ourique. Habitualmente é longa a fila de espera na paragem do Martim Moniz.

eletrico28
Martim Moniz créditos: andarilho.pt

Para se conseguir entrar tinha de se apanhar uma torreira de sol, o que não anulava a vontade de dezenas de turistas que queriam usufruir de uma das viagens mais conhecidas pelos locais históricos de Lisboa.

eletrico28
créditos: andarilho.pt

No final de junho, ao final da tarde, iniciei a viagem apenas com um casal de turistas. Jovens, de telemóvel na mão a registar alguns momentos e sentados em bancos diferentes, para cada um ter a sua janela alfacinha.

eletrico28
Rua Áurea créditos: andarilho.pt

A altura em que viajamos no elétrico ajuda a termos fotografias com perspetivas únicas. É também uma boa oportunidade para quem gosta de fotografia urbana.

eletrico28
Largo de Camões créditos: andarilho.pt

O casal saiu em Alfama. Nós fomos até à Estrela e só numa breve fase do percurso é que os bancos estiveram todos ocupados.

O ambiente é completamente diferente. Ouve-se português no interior, apesar de serem muito poucos os diálogos.

Os lisboetas dos vários bairros fazem curtas deslocações. Adivinha-se que foram às compras ou regressam a casa. Um deles toma apontamentos num bloco. Uma mulher esqueceu-se de colocar a máscara e agradece o aviso feito por outra pessoa.

eletrico28
créditos: andarilho.pt

Um homem, com mais idade, dobra o joelho, o banco duplo é todo para ele, e observa a paisagem. Alguns imigrantes contam por telemóvel o dia a dia em Lisboa e outros deslumbram-se porque estão a ter o mesmo prazer da descoberta, tal como os turistas.

eletrico28
Portas do Sol créditos: andarilho.pt

Como não há passageiros em pé consegue-se ver para os dois lados do elétrico. Observa-se o Tejo nas Portas do Sol e, momentos depois, as ruas vazias no caminho para o Castelo.

eletrico28
Graça créditos: andarilho.pt

Nos bairros residenciais, como por exemplo na Graça, os passeios têm muita gente. Pessoas que fazem a sua rotina, outras em fila para lojas e minimercados.

eletrico28
Alfama créditos: andarilho.pt

Alfama é quase um deserto, a baixa pombalina regressou ao vazio de há duas décadas atrás. Muito comércio está encerrado. Só o Chiado e o Camões preservam algum ambiente pré-COVID.

eletrico28
Graça créditos: andarilho.pt

A praga dos tuk-tuks foi quase erradicada. No percurso de ida e volta não vi mais do que meia dúzia.

eletrico28
créditos: andarilho.pt

A viagem no 28 é muito mais rápida do que o habitual. O entra e sai é num instante e em algumas estações nem chega a parar.

eletrico28
créditos: andarilho.pt

No final do primeiro percurso, um pouco antes da Estrela, o elétrico tinha penas dois ocupantes.

eletrico28
Estrela créditos: andarilho.pt

Recuperámos o uso do 28, mas, no final, fica alguma angústia. Lisboa deixou de ser a mesma a que nos habituámos. Cosmopolita, um mosaico frenético de rostos, sorrisos e de sons em variadas línguas. Venham (não exagerem) e fiquem lá com o 28!

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.