O percurso é de nove quilómetros, mas só uma parte tem passadiços, que correspondem a lugares mais interessantes e que eram de difícil acesso.

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

É o caso da cascata da Fraga da Água d’Alta. É tão bonita como imponente com os seus 25 metros de altura. A água rompe uma crista quartzítica e despenha-se em três lances de rocha até sossegar num pequeno lago.

A envolvente é natural, estamos no alto de um vale que se prolonga por vários quilómetros e que serve de leito à ribeira. Percebemos facilmente o seu percurso pela vegetação mais vistosa que delimita as margens.

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

O acesso à cascata é pelos passadiços. Podemos seguir um caminho que nos oferece uma vista vertiginosa. Do alto da encosta. Noutro acesso, descemos pela escadaria até ao final da ravina onde, após a queda de água, a ribeira se torna de novo serena.

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

Graças ao passadiço, temos várias perspetivas da cascata. É uma das partes mais frequentadas do percurso. “Foi tudo arranjado, com pontes e tem pontos mais elaborados. Está espetacular. Ao fundo da cascata fizeram um pequeno lago. É natural, mas não existia.”

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

No testemunho de João Morgado, que vive no Orvalho, os passadiços são muito visitados e a época do ano que ele prefere é o verão: “há mais calor, mas também há mais gente, mais amigos, dá para passear mais um pouco.”

A parte do trilho que ele prefere é o Miradouro do Cabeço do Mosqueiro. É um alto rochoso sobranceiro à aldeia e onde se atinge a altitude máxima do percurso, 680 metros.

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

“Tem uma vista espetacular. Tem um parque de merendas, uma capela e o percurso dos passadiços que vai até à Fraga da Água Alta.”

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

Um dos acessos ao miradouro é pelos passadiços. Também há acesso rodoviário. É uma subida íngreme, mas vale a pena devido à enorme paisagem de 360 graus. A vista vai da serra do Açor à da Estrela e vemos ainda meandros do rio Zêzere.

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

A orografia do terreno é também interessante porque percebemos como o Monte do Cabeço do Mosqueiro funciona como uma “muralha” que protege a aldeia de Orvalho.

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

Na zona da cascata a vista é diferente. Seguimos com o olhar o percurso da ribeira da Água d’Alta, no fundo do vale das Fragosas. Com a ajuda de várias pontes, acompanhamos a ribeira, com várias cascatas e, mais à frente, com moinhos.

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

É a parte preferida de Maria Morgado. “Eu gosto muito é da ribeira, desses fetos que há para baixo. Tem um ar fresco. É tudo natural.”

Maria Morgado nasceu no Orvalho e emigrou. Agora, só episodicamente visita a sua terra natal que mudou muito. “Sim, é muito diferente. Havia mais gente. Está tudo emigrado, há os velhotes. No mês de agosto é quando há mais gente.”

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

Orvalho faz parte do concelho de Oleiros, os acessos rodoviários são bons e os passadiços e a restante Rota do Orvalho pode ser percorrida em qualquer altura do ano.

No verão, há mais gente. Noutras estações encontra maior diversidade de cores onde sobressaem os medronhos no outono.

Passadiços do Orvalho
créditos: andarilho.pt

A espetacularidade e a beleza dos passadiços do Orvalho faz parte do programa da Antena1 Vou Ali e Já Venho e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.