As salas adjacentes deste pub em Navan (nordeste da Irlanda) são o lar de diversas atividades: Liam, uma cabra selvagem de duas semanas, recebe leite de um biberão, enquanto os cisnes montam o seu ninho em velhos estábulos, uma raposa desconfiada procura um abrigo e um voluntário cuida de um falcão de olhos grandes.

Desde sexta-feira, a antiga adega de bebidas tornou-se, graças à Associação Irlandesa de Reabilitação da Vida Selvagem (WRI), a primeira clínica veterinária do país que cuida de criaturas de todos os tamanhos e espécies, sejam quais forem seus problemas.

"Estávamos acostumados a um certo modo de vida", disse à AFP James McCarthy, cuja família é dona do pub há mais de 10 anos. "Quando este foi tirado de nós, encontramos um vazio e demoramos um pouco para preenchê-lo, de uma forma que nunca imaginamos ser possível".

"Estamos a prepara a temporada de órfãos, que é a nossa época mais movimentada do ano", explica o gerente de animais Dan Donoher, tentando acalmar um pombo que está se debatendo numa mesa de exame. "Teremos muitos pintainhos e raposas, o que nos manterá ocupados nos próximos seis meses".

Na cultura irlandesa, os pubs ocupam um lugar central na vida social, onde eventos importantes são celebrados. Em áreas rurais remotas, o seu papel é ainda mais importante, e o encerramento do Tara Na Ri foi um duro golpe para a comunidade local.

Mas, de acordo com Aoife McPartlin, chefe da secção educacional do WRI, a nova clínica veterinária já conseguiu substituir o bar no coração de alguns clientes, que dedicaram o seu tempo a arranjar as salas auxiliares.

Consciência da vida selvagem

A Irlanda, que registou mais de 4.000 mortes por COVID-19 até agora, está atualmente no meio do terceiro confinamento, estabelecido para impedir a explosão de casos que ocorrem após um relaxamento das restrições.

Embora o país tenha passado pelas duas primeiras ondas da pandemia com relativamente poucos casos e mortes, agora tem a maior taxa de infeção per capita do mundo.

Desde o início do ano, escolas, lojas não essenciais, pubs, restaurantes, ginásios e cinemas foram fechados e os cidadãos devem ficar em casa, exceto para se exercitarem dentro de um perímetro limitado.

Situação que para Aoife McPartlin tem uma vantagem, pois com o aumento do número de pessoas que passam muito tempo na natureza, aumentou o número de animais feridos ou abandonados encontrados pelos caminhantes e encaminhados para tratamento.

“A natureza salvou muitas pessoas durante a pandemia”, enfatiza. "Elas estão mais conscientes da vida selvagem e da sua existência, e da nossa coexistência".

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.