As redes sociais têm, cada vez mais, um grande peso na vida quotidiana. Nesse sentido, a eDreams realizou um estudo sobre os hábitos dos portugueses durante as férias e a influência das redes sociais nas suas escolhas.

A primeira conclusão que o estudo retira é que aproximadamente 1 em cada 2 portugueses tem em conta o potencial que os locais têm para ser partilháveis nas redes sociais quando faz a escolha do seu destino de férias.

Também em Espanha (55%) e em Itália (58%) os viajantes inquiridos  afirmaram ter em conta o quanto os seus destinos são "instagramáveis". No entanto, esta tendência ainda não se verifica nos outros países europeus estudados: na Alemanha (31%) e no Reino Unido (20%) os viajantes ainda não estão muito preocupados com as fotografias para as redes sociais.

Apesar de ser bastante importante para os portugueses que os seus destinos lhes proporcionem boas fotos, os "influenciadores digitais" não têm um grande impacto na decisão quanto aos locais para onde escolhem viajar: apenas 6% dos inquiridos diz escolher o destino de acordo com o que vê nas redes sociais. A decisão tomada pelos próprios, sem qualquer ajuda externa, continua a ser a grande tendência dos portugueses (54%) na escolha dos destinos.

O estudo revela ainda que  4 em cada 10 portugueses retoca as imagens quando a realidade não corresponde às suas expectativas – mas 60% continua a preferir mantê-las naturais, mesmo que implique receber menos likes nas redes sociais. Os restantes países europeus parecem concordar com Portugal: 54% dos inquiridos afirma não retocar as suas fotos para as tornar mais apelativas.

Por outro lado, os portugueses não gostam que os contactos partilhem muitas fotos das férias nas redes sociais: a maioria dos inquiridos afirma que as pessoas só fazem isso "para se exibir" (32%) e que dessa forma "não estão a aproveitar as férias" (25%). Apenas 22% dos inquiridos considera que a partilha de muitas fotos pode significar "que estão realmente a desfrutar" da sua pausa.

Quando inquiridos sobre o mais difícil de renunciar durante as férias, os portugueses são claros: o mais difícil seria perder as idas à praia (29%). São 15% os que afirmam que o mais difícil seria não aceder a redes sociais - e dentro destes, seriam os millennials quem teria maior dificuldade em desligar.

O estudo foi conduzido pela OnePoll para a eDreams, entre os dias 13 de dezembro de 2018 e 3 de janeiro de 2019. Em Portugal foram inquiridos 1000 adultos que já tivessem ido de férias pelo menos uma vez. Este mesmo estudo foi conduzido também noutros países da Europa (Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido), o que resultou num total combinado de 8000 inquiridos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.