Não se deixe enganar pela tranquilidade solene desta cidade de impressionante arquitetura, permeada de espaços verdes. Sobretudo em tempo ainda frio, quando os seus habitantes percorrem as ruas de bicicleta, agasalhados como convém, para se transformarem em grupos acalorados, nas animadas esplanadas, partilhando um copo ao final do dia em traje de cocktail. Possivelmente são alguns dos que vemos em calções e T-shirts a calcorrearem as ruas de Lisboa soalheira quando ainda usamos cachecol...

A paixão pela natureza e o ar livre, de que os concorridos parques e espaços para piqueniques são testemunho em tempo mais ameno, é irmanada pelo gosto do convívio dentro de portas. E os numerosos cafés, bares e restaurantes são local de reunião privilegiado e refúgio no tempo frio. A noite na zona histórica é agitada. Nas ruas com arquitetura mais antiga há cafés cheios de jovens e hotéis reservam o bar no rés-do-chão para locais e turistas conviverem. Por vezes são pequenos espaços onde se toca música ao vivo, que se ouve nas ruas enquanto passeamos.

E estes são apenas dos alguns dos motivos pelos quais vale a pena reservar já a viagem a Helsínquia.

museu do design de helsínquia
créditos: Mikkoau / CC BY-SA 4.0

Tal como as vizinhas escandinavas Suécia e Dinamarca, a Finlândia é conhecida pela tradição no design e o seu Museu do Design, datado de 1873, é mesmo um dos mais antigos do mundo. Por isso não se surpreenda se demorar mais do que o habitual a apreciar o interior de lojas e locais de restauração, do mobiliário à louça sobre a mesa... Os finlandeses esmeram-se na matéria.

Tanto assim é, que a cidade reúne um polo de criativos no Design District, que abrange os bairros Punavuori, Kaartinkaupunki, Kamppi e Ullanlinna, na baixa da cidade. Capital Mundial do Design em 2012, Helsínquia reforçou ainda mais essa vertente desde então, de que são exemplos a Kulttuurisauna e a Capela do Silêncio de Kamppi.

Capital do Design

Funcionalidade, simplicidade e consciência ecológica norteiam a filosofia do design finlandês. Todos os anos, em setembro, realiza-se a Semana do Design de Helsínquia, evento que atrai turistas de toda a parte e transfigura a cidade.

Mas ao longo do ano, o design está sempre em foco e o visitante pode confirmar isso mesmo passeando pelo vibrante Design District, munido de uma brochura com mapa, distribuída gratuitamente pelo Turismo da cidade. Facilmente deixamo-nos levar pelo prazer de olhar, visitando ou espreitando lojas, cafés, hotéis, museus, galerias de arte… É frequente ver turistas a comentarem algumas peças mais surpreendentes nas montras de lojas.

helsínquia
créditos: Kallerna / CC BY-SA 3.0

Mas se ainda assim a tarefa lhe parecer complicada, pode optar por uma visita guiada que se realiza aos sábados - com início junto ao Museu do Design ao final da manhã - e requer reserva antecipada,  que pode ser feita na página online do Happy Guide Helsinki.

Não se pense, contudo, que o Design District é apenas uma montra gigante de design. Aqui a criatividade, cultura e lazer estão de mãos dadas no que pode ser uma visita a um atelier que é simultaneamente galeria e café, um jantar num restaurante da moda ou um concerto de artistas locais. Há sempre muito a acontecer, basta consultar a agenda de eventos ou escolher um pouso deambulando pelas ruas animadas e embarcando na concorrida vida noturna.

E depois de preencher os sentidos com tanta criatividade, pode sempre materializar as sensações levando algo para casa do muito que aqui se cria. Dos emblemáticos armazéns Stockmann a marcas tradicionais como Marimekko e Artek (que teve na sua fundação o célebre casal de arquitectos e designers Alvar e Aino Aalto) a espaços mais recentes, não faltam locais para escolher uma peça útil ou meramente decorativa.

Sauna obrigatória

Uma visita a Helsínquia, diríamos mesmo à Finlândia, não pode passar sem a experiência da sauna, um hábito enraizado neste povo, de norte a sul.

A sauna de madeira é um complemento habitual das habitações por todo o país e na sua origem, para além da função terapêutica, de relaxamento e lazer, tinha uma função utilitária no fornecimento de águas quentes para higiene, uso doméstico e mesmo para a realização de partos em casa.

Hoje a componente de lazer e terapia mantém-se, fazer sauna é considerado um hábito saudável e rotineiro e não faltam saunas públicas onde desfrutar da experiência. A sauna é inclusive um local de convívio — e até um expediente para quebrar o gelo em reuniões profissionais— despido de preconceitos, literalmente…

Tradicionalmente, a sauna finlandesa obedece a determinados requisitos. Deve ser aquecida a pelo menos 85º C de temperatura, ter uma bancada superior de madeira para os utilizadores se sentarem e dispor de pedras aquecidas, sobre as quais se atira água para a obtenção de vapor, o löyly. A esse ritual, segue-se um banho ou mergulho em água fria ou gelada.

allas sea pool helsínquia
créditos: Paasikivi / CC BY-SA 4.0

Quer cumpra ou não todo o ritual, não perca a oportunidade de visitar um dos diversos locais que oferecem a experiência. É o caso da Kulttuurisauna (em Merihaka), um projeto de arquitetura ecológica, onde é possível nadar em águas geladas todo o ano. Ou da central Allas Sea Pool, junto à Praça do Mercado (Kauppatori), um spa marítimo com piscinas (uma com água do Báltico), saunas, ginásio ao livre, instrutores de fitness, espaços de cafetaria, restauração e de eventos culturais.

A salientar ainda o magnífico complexo Löyly (em Hernesaari), com frente de mar, esplanadas e um ótimo restaurante, que também oferece opções de sauna privada para grupos. É aconselhável reserva antecipada. Construído numa antiga zona industrial, faz parte de um amplo projeto de revitalização e construção urbana da cidade, que irá transformar a zona costeira.

Suomenlinna

No roteiro pelos locais históricos e culturais de Helsínquia, o destaque vai, sem dúvida, para a fortaleza Suomenlinna, classificada Património da Humanidade pela UNESCO, que inclui seis museus, inclusive um dedicado ao brinquedo. Construção do séc. XVIII, as suas muralhas englobam um arquipélago de seis ilhas, à entrada do porto da cidade, e pode-se percorrer os trilhos a pé por entre os parques, visitando os diferentes locais de exposição, a ponte levadiça, um submarino da II Guerra Mundial, um estaleiro naval ou galerias de arte… Há igualmente visitas guiadas.

Mandada erguer por Frederico I da Suécia, em 1747, a então fortaleza de Sveaborg, construção defensiva das províncias finlandesas da coroa sueca, passaria para a posse da Rússia em 1808 e ganharia o nome de Suomenlinna com a independência da Finlândia após a Revolução Russa de 1917.

A fortaleza é acessível através de ferry ou water bus com partida do cais de passageiros na Praça do Mercado. O ferry tem um bilhete diário com partidas a cada 15 minutos em período estival e o water bus, da JT-Line, operando entre maio e setembro.

suomenlinna helsínquia
créditos: Marjatta Caján / Pixabay

A viagem de barco é igualmente interessante para se ter uma perspectiva de Helsínquia a partir do Báltico.

Em Suomenlinna, entre a descoberta das numerosas atrações, faça uma ou várias pausas para um piquenique nos vários espaços verdes ou desfrute de uma refeição num dos diversos espaços de restauração e cafetaria.

Se lhe apetecer, não tenha receio de pedir uma salada quando o tempo ainda estiver mais para sopas porque vai ter direito a uma “senhora” salada, daquelas que só deixam espaço para sobremesa, mas diminuem o peso na consciência no quesito calorias. Isto porque a pastelaria abundante em cremes, natas e chantilly e em diversos frutos vermelhos é a tendência dominante. Bem, a fruta é saudável! E se abusar nas calorias, é fácil queimá-las.

Não gostámos foi de provar carne de rena. Fica um sentimento de culpa e o sabor não é nada de mais.
Helsínquia é também uma excelente placa giratória para viajar na região. A capital finlandesa é muito procurada como ponto de partida para uma viagem de comboio até S. Petersburgo. Se tiver tempo, não perca ida e volta a Talin de barco. Só pela viagem vai ver que vale a pena com a profusão de mercadorias nos dois sentidos e a diversidade de nacionalidades que faz a ligação entre a Europa Continental e os países nórdicos.

Texto: Who Trips

Helsínquia desde 170€