Já visitou a Finlândia? Eu não, mas conheço uma parte da Escandinávia e compreendi quando conversei com uma amiga (@nadinealmeida) sobre a sua estadia por lá. Não se trata apenas de viajar, mas de deixar tudo para trás literalmente e atirar-se ao frio da Europa, completamente jovem e sozinha. Helsínquia é uma cidade que lembra um arco-íris sem fim. Apetece correr atrás dele. E sobretudo num país em que as horas de luz e cor são tão ‘caras’. Imagine-se o que é estar pelas 23h num café, ao ar livre (no Verão) e sentir ali perto um arco-íris, como uma tentação luzidia escandinava.

A sensação, além do arco-íris, é de relaxamento e vida bem consumida. Sem pressas no trânsito ou horários para cozinhar. É um país caro, mas com convite a ser feliz. Os jardins, não se esqueça, pode pisá-los! Mas tem de ter cuidado com as cegonhas que vêm ali da beirinha do mar e adoram comer um bom gelado. O seu gelado! Cuidado que elas são bem gulosas e sentem que os jardins também são delas. E são. Entre este ‘safari’ de humanos e cegonhas, Helsínquia é um dos destinos que pode selecionar para fazer uma boa festa com amigos. O happy hour é muito celebrado, diariamente. E, para quem não gosta de pedalar, atenção que esta cidade plana tem muitos quilómetros agradáveis para bicicletas à disposição. Se eu gostei de pedalar pelos caminhos desajeitados das ilhas Gili (Indonésia), então acho que me daria muito bem nesta terra nórdica.

Algo importante a saber sobre horários de festas pois reforço que a Finlândia é um destino frio, mas bom para festas de amigos que queiram agendar uma roadtrip: os nightclubs encerram pelas 4h e quando saem para a rua, o sol já está à espera. Não espere muito para conhecer este país a que me apetece chamar de “país-gravata”. Todos sabemos que é um país de alto rendimento, a eficácia é soberba. Mas o espírito do finlandês muda de figura (como se fosse ‘bipolar’ no melhor sentido) quando encerra o expediente. É que a liberdade efusiva (estilo Ibiza numa estação sempre esfriada) que se vive é sobretudo desde o happy hour até acabar a madrugada.

Algo que tem de aproveitar sem hesitar: os cruzeiros para várias regiões e mesmo países fronteiriços! Viagens, via mar, são incrivelmente económicas. Como portugueses que somos há algo que vai estranhar lá: não há beijinhos, nem gestos de grande ‘afeto’. Tudo isto faz do país uma espécie de sagitário com humores voláteis, mas seguro na sua forma de ser tão evoluída. Já agora, atendendo ao seu signo, visitará a Finlândia? Espero que sim, vemo-nos lá. Entre cegonhas, arco-íris e happy-hour sem beijinhos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.