O Alnwick Garden, na cidade com o mesmo nome, é um complexo de jardins adjacentes ao Castelo Alnwick, cujas origens remontam a 1096. O local acolhe, nos seus 14 hectares, vários tipos de plantas, pequenos recantos e espaços verdes que fazem as delícias das cerca de 600 mil pessoas que o visitam anualmente.

Há, contudo, uma parte que pode assustar. Guardado por um portão de ferro forjado preto, onde se pode ler em letras brancas “These plants can kill” (estas plantas podem matar), fica o Poison Garden (Jardim Envenenado). Ali, estão reunidas várias espécies de plantas venenosas, entre elas a mamona, que produz, através das sementes, o veneno ricina, ou a noz-vómica, que produz a estricnina. Mas existem mais plantas venenosa neste jardim – descubra-as na galeria de fotos acima.

Veja também: As mais incríveis cidades subterrâneas que tem mesmo de conhecer

Algumas plantas do jardim fazem parte do universo Harry Potter. Como o acónito ou a mandrágora, que são usadas nas poções mágicas dos feiticeiros de Hogwarts. Mas, na realidade, estas plantas têm usos medicinais. O acónito, também conhecido como “mata-lobos”, é uma planta extremamente venenosa. O seu veneno era muito usado por arqueiros durante a Idade Média. 10 gramas da raiz da planta constituem uma dose letal para o ser humano. Já a mandrágora é conhecida pelas suas propriedades medicinais, alucinogénias e narcóticas.

Veja também: De Chernobyl aos esgotos de Paris: passeios turísticos diferentes ou estranhos

O Poison Garden está aberto aos visitantes que têm de tomar medidas especiais quando passeiam por entre estas plantas mortais. Não podem cheirar, tocar nem provar nenhuma das espécies expostas no jardim. Desde 2005, altura em que foi inaugurado, nunca houve motivo para alarme. Ainda assim, no verão passado, sete pessoas desmaiaram depois de inalarem fumos tóxicos durante a visita ao jardim, de acordo com o artigo do Smithsoniam.com.

Muitas das plantas que podem ser encontradas no Poison Garden foram usadas durante séculos para fins medicinais, ou seja, podem curar mas também podem matar.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.