O Carnaval de Veneza pode ser dos mais famosos do mundo, mas Milão também é conhecida por esta festa, que aqui se celebra alguns dias depois. Reza a lenda que no século IV o bispo San Ambrogio, santo padroeiro da cidade, em peregrinação por terras longínquas, não conseguiu chegar a tempo para o início da Quaresma, pedindo por isso aos milaneses que atrasassem a celebração. Desde essa altura que a tradição se mantém e o Carnaval Ambrosiano, assim chamado em honra do santo, com a festa a durar até ao sábado a seguir à terça-feira gorda.

carnaval milão
créditos: Effems/CC BY-SA 4.0

Durante a festa, Milão transforma-se em cenário de cores, música e espetáculos, onde as estrelas são os próprios habitantes que se disfarçam de figuras tradicionais ou da atualidade. Um dos protagonistas é o ‘Meneghino’, personagem da ‘commedia dell’arte’ que se pensa representar o criado que acompanhava os nobres à missa dominical. ‘Meneghino’ é irónico e astuto, mas também justo, sincero e honesto. Das suas vestes coloridas destaca-se o chapéu de três bicos e a ausência de máscara, que simboliza a sua sinceridade. ‘Cecca’, a sua mulher, acompanha-o muitas vezes no desfile.

Poderá encontrar ‘Meneghino’ e outras personagens no grande cortejo alegórico que promete animar Milão na tarde de sábado, dia 29 de fevereiro. O melhor local, e por isso o mais concorrido, para assistir é a Piaza del Duomo. Depois do desfile, o Carnaval estende-se noite fora, tanto nas ruas como nos bares e discotecas.

E o Carnaval é apenas uma das muitas razões que o farão querer viajar para Milão. Que tal descobrir mais algumas?

Castelo Sforzesco

Construído durante o século XIV, foi várias vezes restaurado e continua a impor-se na cidade pela beleza da sua arquitetura. Este castelo foi restituído a Milão no início do século XX e é atualmente a casa de 14 instituições, entre as quais a “Achille Bertarelli”, conhecida por ter uma das maiores coleções de arte da cidade.

É aqui que se encontra a obra-prima de Miguel Ângelo, a Pietà Rondadnini. No seu interior, o castelo abriu ainda portas a arquivos importantes como a Biblioteca de Arte, o Arquivo Histórico, a Biblioteca Trivulziana e um interessante arquivo fotográfico. Mas é o Museu Civil de História Natural que é um dos principais pontos de atração. Inaugurado em 1838, este é um dos mais antigos museus de Milão e teve origem nas doações das coleções do botânico e naturalista Giorgio Jan e do naturalista Giuseppe De Cristoforis. Atualmente, as exposições  estendem-se por cerca de 5.500 metros quadrados, sendo dedicadas à mineralogia, paleontologia, zoologia e história natural do Homem. Mas a ala mais entusiasmante é a dedicada aos dinossauros.

Castelo de Sforzesco
créditos: DR

Museu do Novecento

Apesar de ter menos de duas décadas,  este museu é atualmente ponto de paragem obrigatória na cidade. Entre as cerca de 400 obras de arte, que incluem pinturas, estátuas e instalações, destacam-se objetos de artistas que marcaram a cidade como Boccioni, Carrà, Morandi, De Chirico, Arturo Martini, Fontana e Manzoni. Esta exposição permanente vive paredes-meias com as temporárias que dão palco a artistas italianos emergentes, de que são exemplo o “piano piano artista” e “20 metros cúbicos”.

Museu do Novecento
créditos: DR

Galleria Vittorio Emanuele II

É um dos edifícios mais bonitos da cidade e conquista todos os que o visitam com as suas cores e riqueza de detalhes. Projetado para ser um ponto de movimento, cumpre o objetivo inicial e apesar de ser o centro comercial mais antigo de Milão, continua a ser um símbolo do comércio de luxo. De uma beleza extraordinária, a dimensão imponente do edifício não deixa ninguém indiferente, mas é a minuciosa e deslumbrante arquitetura que conquista os visitantes. É o símbolo perfeito de como o tradicional se cruza com o lado mais moderno da cidade e de como esta se adequou aos tempos.

Galleria Vittorio Emanuele II
créditos: DR

Catedral de Milão

Localizada na principal praça da cidade, o Duomo é uma das maiores catedrais do mundo e absolutamente soberba devido à sua arquitetura de estilo gótico. Com 157 metros de comprimento e 109 metros de largura, demorou mais de 400 anos a ser construída. A sua dimensão torna-a um ponto de referência, mas no seu interior são os vitrais que se destacam pela sua beleza, a par da atmosfera de solenidade. Junto à entrada principal poderá ainda visitar uma área subterrânea que alberga vestígios da época romana.

A catedral de Milão
créditos: DR

Estátua de Leonardo da Vinci

Localizada na Piazza della Scala, a estátua de Leonardo da Vinci obriga a alguma contemplação. Construída como homenagem ao cientista, tem aos pés quatro dos seus discípulos. Inaugurada em 1872 pelo rei Vittorio Emanuele II, continua a receber centenas de visitantes.

Leonardo da Vinci
créditos: DR
Milão desde 45€