A pandemia afetou vários sectores da sociedade e o cinema foi um deles. O mais recente filme de James Bond, por exemplo, foi adiado várias vezes até ser lançado, devido à pandemia. A franquia é um bom exemplo de como os filmes tiveram de se reinventar e adaptar ao longo dos tempos. No intervalo de 20 anos entre GoldenEye (1995) e Spectre (2015), as vendas de bilhetes permaneceram em 1,3 bilhões de bilhetes em todo o mundo, enquanto a população global cresceu em 2 bilhões. Isto deve-se especialmente ao streaming, que se tornou predominante. No entanto, apesar de mais barato, o streaming não matou a paixão das pessoas pelo cinema.

Depois de encerrados devido à pandemia, os cinemas começam a regressar à vida. Em alguns locais, os preços dos bilhetes estão a subir para estimular a recuperação, enquanto outros estão a baixar os preços para tentar que os cinéfilos regressem ao cinema em maior número.

O NetCredit descobriu o preço dos bilhetes de cinema em todos os países e comparou-os com os salários locais para perceber onde são mais acessíveis à população.

O estudo concluiu que El Salvador tem o preço médio do bilhete mais barato do mundo, equivalente a US $ 0,52 (46 cêntimos). Os bilhetes de cinema mais caros estão no Líbano, com uma média de US $ 29,78 (mais de 26 euros).

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.