Ao que sabemos, somos o único animal na terra que consegue comover-se com um pôr-do-sol, deslumbrar-se com as estrelas à noite e sentir admiração nas conquistas do passado.

As Maravilhas definem-nos como ser humanos e Aaron Millar escolheu sete para o ano de 2017.

 

Das sete Maravilhas originais do mundo, apenas as Grandes Pirâmides de Gizé permanecem. Os Jardins Suspensos da Babilônia, o Farol de Alexandria, o Templo de Ártemis, o Colosso de Rodes, o Mausoléu de Halicarnass e a Estátua de Zeus desapareceram para sempre, ficando apenas na memória e nos livros.

Em 2007, a New Open World Corporation e os milhões de votos pelo mundo elegeram as novas Maravilhas: Grande Muralha da China, Petra, Coliseu, Chichén Itzá, Machu Picchu, Taj Mahal e Cristo Redentor. A Necrópole de Gizé recebeu o título honorário por ser a única remanescente das sete maravilhas originais.

Estudos demonstram que a admiração induz níveis mais profundos no processamento cognitivo, aumentando a empatia e ajudam-nos a sentir maior afetividade com o mundo.

Saiba mais sobre o livro de Aaron Millar, The 50 Greatest Wonders of the World.