Segundo a proposta e como forma de começar a implementar a medida, espera-se que a cidade comece a cobrar uma taxa fixa de 3 euros. Esta contribuição será temporária até dia 1 de janeiro de 2020, data em que o regulamento entra em vigor e "preço fixo de admissão" ascende a 6 euros, com flutuações dependendo do fluxo de visitantes. Subindo para 8 euros em dias de muito tráfego e 10 euros em dias "excepcionalmente ocupados".

Esta taxa de acesso, que será aplicada como uma alternativa à taxa de pernoite em hotéis, deve ser paga por qualquer pessoa que entre no centro histórico de Veneza e será válida até à meia-noite do mesmo dia em que entraram. Com esta medida pretende-se taxar o acesso dos turistas que não dormem na cidade.

As pessoas que vivem, trabalham ou estudam na cidade estarão isentas da taxa. A partir de 2019, ficam também isentos os visitantes que permaneçam pelo menos uma noite - que já pagam um “imposto turístico” pelo alojamento - e aqueles que comprem entrada para os monumentos ou passe de transportes públicos. Ficam ainda isentas as crianças com menos de seis anos, pessoas com deficiências, parentes de residentes, proprietários de segundas residências, pessoas que vivem na região e membros das forças armadas.

Serão estabelecidas multas que variam entre os 100 e os 450 euros para quem não pagar a taxa de acesso ou emitir declarações falsas para ser excluído ou isento de pagamento ou para beneficiar de reduções.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.