O aumento do número de obesos no mundo obrigou as autoridades da cidade a reduzir o número de passageiros autorizados a embarcar nas gôndolas, com uma redução de seis para cinco pessoas.

"Para além do problema do peso médio por turista, é preciso lembrar que as águas dos canais estão cada vez mais agitadas devido ao aumento do tráfego de barcos a motor", explicou à AFP Roberto Luppi, ex-presidente da Associação de Gondoleiros de Veneza.

A medida adotada pela autarquia não tem como objetivo aumentar os lucros, mas facilitar o trabalho dos gondoleiros e das suas manobras, já que eles remam de pé no elegante barco de madeira escura.

É um meio de transporte existente há séculos entre as mais de cem pequenas ilhas que compõem a cidade de Marco Polo.

Adotado no início de julho, o novo regulamento estabelece que apenas cinco pessoas podem ser transportadas, em vez de seis.

As chamadas gôndolas "stop", que são maiores - um serviço público pronto para atravessar o Grande Canal -, poderão transportar 12 pessoas, enquanto anteriormente levavam 14.

"Muitos turistas estão acima do peso e, se o barco estiver cheio, a água entra e pode afundar", explica Raoul Roveratto, presidente da associação local de gondoleiros, ao jornal La Repubblica.

"Navegar com mais de meia tonelada a bordo é perigoso", acrescenta.

A autarquia também espera aumentar o número de licenças concedidas aos gondoleiros, de 433 para 440.

De acordo com as novas disposições, a licença pode ser passada de um membro para outro da mesma família, sem que o novo titular precise fazer um exame de história e idioma.

O maior requisito agora é ter quatro anos de experiência de navegação numa gôndola familiar.

Em maio, as famosas gôndolas de Veneza reapareceram ao longo do Grande Canal para transportar principalmente os moradores locais, por causa da longa ausência de turistas devido à pandemia de coronavírus.

A cidade já havia enfrentado recentemente um grande desafio, quando no ano passado as marés atingiram níveis históricos, causando graves inundações. Apesar de ter se recuperado, o vírus atingiu fortemente o local.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.