No sábado passado, 16 de Junho, fez um ano que esta forma popular de teatro de marionetas ficou registada no Inventário Nacional de Património Imaterial.

Foi preciso muita palheta., mais de uma década de espera, mas valeu a pena e os resultados já o evidenciam como assegura José Gil.

Dom Roberto
Museu da Marioneta créditos: andarilho.pt

“Para além do reconhecimento da tradição popular do teatro de marionetas português, começou a ser mais respeitado pelos programadores. Passou a haver mais eventos dedicados aos D. Roberto dentro de grandes eventos dedicados à arte das marionetas.”

Dom Roberto
créditos: andarilho.pt

Este tipo de teatro de marionetas português tem cerca de três séculos de história. Nas primeiras décadas do século passado era muito popular com roberteiros a percorrerem praias, feiras....

Dom Roberto
Evocação dos Dom Roberto no Museu da Marioneta créditos: andarilho.pt

No entanto, algumas décadas depois, correu o risco de extinção. Nos anos 70, eram apenas quatro os roberteiros que mantinham a tradição. No passado recente, ganhou nova vitalidade. “Neste momento são 14 a 15 pessoas, duas são mulheres, e estão espalhados de norte a sul de Portugal e também nos Açores, o que é espetacular.”

Dom Roberto
José Gil em frente da sua guarita créditos: andarilho.pt

José Gil é um dos marionetistas dos Dom Roberto e está a fazer uma tese de doutoramento sobre esta arte. Uma das características é a palheta que colocam no céu da boca e que, ao mesmo tempo que manipulam os bonecos no interior da tenda, lhes dão voz , com expressões irreverentes e num tom estridente.

Dom Roberto
créditos: andarilho.pt

“É um teatro difícil de aprender rapidamente. Demora o seu tempo, principalmente pela técnica de manipulação, mas também pelo saber falar através da palheta.” Tradicionalmente era uma voz livre, muito baseada no improviso, que os mecanismos censórios do passado tinham dificuldade em controlar.

Dom Roberto
créditos: andarilho.pt

Outra particularidade era a itinerância que tinha lugar por esta altura. Desde as aldeias do interior até às praias do litoral.

Dom Roberto
créditos: andarilho.pt

Apesar de as atuações agora serem mais em eventos, José Gil diz que ainda há quem vá para a rua, “para sentir a adrenalina de estar na rua. Por prazer e é também uma escola.

Dom Roberto
créditos: andarilho.pt

Um dos marionetistas mais novos ligou-me a dizer que andava a fazer no mercado da terra dele. Por prazer e para ganhar calo de rua. Tu sentes o público e tens de te desenrascar.”

Dom Roberto
créditos: andarilho.pt

Até ao final do verão é possível vermos os Dom Roberto em vários eventos ao ar livre. Em várias páginas destas companhias encontra a agenda dos espetáculos previstos.

Alexandre Cunha ;  Filipa Mesquita ; Jorge Soares ;  José Gil - SA Marionetas , Nuno Correia PintoRaul Constante Pereira ; Ricardo Ávila ; Sara Henriques ;  Trulé, Manuel Dias ; Vitor Costa - Robertos Santa Bárbara ; UNIMA

Dom Roberto
A diretora do Museu da Marioneta com vários roberteiros numa Maratona de D. Robertos créditos: andarilho.pt

A candidatura dos Dom Roberto a Património Nacional Imaterial foi uma iniciativa promovida pelo Museu da Marioneta em colaboração com vários roberteiros.

Dom Roberto
Filipa Mesquita, Raul Constante Pereira, José Gil, Jorge Soares, Nuno Correia Pinto, Fernando Cunha, Ricardo Ávila e Vitor Costa créditos: andarilho.pt

Rrraios te partam! Os Dom Roberto são património nacional há 1 ano faz parte do programa da Antena1 Vou Ali e Já Venho e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.