A cidade de Peso da Régua, no distrito de Vila Real, é a primeira do Douro a ser eleita pela Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV) Cidade do Vinho, uma oportunidade que o município quer aproveitar para promover e valorizar o produto que é a base da economia da região.

“Queremos que seja um evento do concelho, mas também um evento de todo o Douro. A nossa perspetiva, com este galardão, é trazer valor acrescentado à fileira do vinho para que se possam dar passos sólidos para a sustentabilidade deste negócio”, afirmou o presidente da Câmara da Régua, José Manuel Gonçalves.

O autarca referiu que, ao longo do ano, serão realizadas “múltiplas atividades” que congregam história, tradição e inovação e que contam com a participação de vários parceiros privados, como produtores e restaurantes, e institucionais.

Pretende-se, acrescentou, atrair “mais visitantes à região e mais notoriedade e reconhecimento à marca Douro”.

No sábado é dado o arranque das iniciativas com a tradição de cantar os reis e um brinde ao novo ano com vinho do Porto, um evento que vai juntar grupos de cantares provenientes de todo o concelho na praça do município.

A programação inclui ainda um concurso de fotografia que pretende promover o património cultural e natural do Douro, bem como as suas tradições da vinha e do vinho, passando pela gastronomia, as artes as suas gentes e as características particulares da região.

José Manuel Gonçalves destacou a feira do vinho do Douro, entre 07 e 10 de junho, que se pretende que seja “um evento marcante”, com dimensão internacional, onde estarão representados os produtores de referência da região e que vai ser o palco para o lançamento de novos vinhos.

A Régua vai acolher a Gala Cidade do Vinho 2019, a final da Rainha das Vindimas e será palco para uma recriação histórica das vindimas no início do século XX.

Realizar-se-á também um congresso que vai cruzar o tema vinho com os diversos escritores da região, muitos dos quais se inspiraram no Douro, nas suas paisagens em socalcos e no rio.

Ao longo do ano decorrerão seminários e fóruns ligados às temáticas vinho e enoturismo e serão realizadas ações de formação, nomeadamente a bordo dos barcos turísticos, sobre como servir o vinho, interligando-o com a história e a cultura.

“E é isto que nos diferencia de outras regiões. Aqui temos uma história associada ao vinho e é importante que quem nos visita saiba o que custa produzir o vinho aqui, o que custou construir a região que é hoje Património da Humidade”, salientou o presidente.

Esta história, defendeu, “tem de ser incorporada no vinho para lhe dar valor acrescentado” e “garantir a sustentabilidade” dos produtores e da região.

“O vinho desta região é vinho de qualidade e tem que ser vendido cada vez mais a preços que sejam compatíveis com aquilo que é o custo de produção. Sou completamente contra entrarmos num supermercado e vermos lá garrafas de vinho do Porto a quatro euros. É um atentado ao vinho do Porto”, frisou.

O Peso da Régua vive em torno do vinho. Historicamente desempenhou um importante papel como interposto comercial e centro de serviços ligados à atividade vitivinícola.

Nas últimas décadas, a cidade foi perdendo essa influência comercial, mas tornou-se num importante ponto turístico.

O desafio passa agora, segundo José Manuel Gonçalves, por criar mais e melhor oferta para quem visita a região, proporcionado um acesso “mais direto ao produto vinho”.

Um "importante exemplo" do que já foi feito é o cais de mercadorias da REFER, junto à estação ferroviária. De centro abastecedor de mercadorias foi transformado num espaço de restaurantes, garrafeiras e bares que mantêm “uma forte ligação a vinho”.

Fonte: Lusa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.