De roupas coloridas, homens e mulheres participaram nesta marcha sob um intenso calor, dançando em cima de camiões nas avenidas de Telavive. A cidade é considerada um excecional oásis de tolerância na região.

"É, supostamente, uma luta pelos direitos LGBT, mas isto parece mais uma festa, então, eu aproveito a festa", disse Liat Shana, 29 anos, com uma peruca verde, à AFP.

Mais de 170.000 pessoas participam na Marcha do Orgulho LGTB em Telavive

Palco da primeira manifestação do género, em 1998, Telavive "sempre foi e será uma acolhedora morada para todas as pessoas trans, lésbicas, gays, queer e não-binárias. Aqui, serão sempre bem-vindas", declarou o presidente da câmara Ron Huldai, num comunicado.

Israel é reconhecido como um país progressista em termos de visibilidade e igualdade para a comunidade LGBT.

Já no caso do casamento homossexual, embora não seja ilegal, é impossível de ser realizado, pois não há nenhuma instituição autorizada a celebrá-lo. Se for contraída no exterior, a união entre pessoas do mesmo sexo é reconhecida.

gay pride
A participant poses for a photo during the annual Pride Parade in Israel's Mediterranean coastal city of Tel Aviv on June 10, 2022. (Photo by RONALDO SCHEMIDT / AFP) créditos: AFP or licensors

No dia 2 de junho, milhares de pessoas participaram da 20ª edição da Marcha do Orgulho LGBT em Jerusalém, sob um forte esquema de vigilância policial, devido a ameaças contra a organização.

Em 2015, a marcha terminou de forma trágica, com a morte de uma adolescente. A adolescente foi esfaqueada por um judeu ultraortodoxo.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.