Bilhete-postal enviado por Tiago Pereira

Felizmente, ainda tínhamos um rasgo de loucura e muita vontade de estarmos juntos, o que nos levou a comprar bilhetes de autocarro de manhã… para viajarmos à noite até Madrid. Eu não gosto de calor. Ela não gosta de grandes viagens de carro, mas lá fomos no autocarro. Avisámos os pais e amigos, enquanto saíamos de Lisboa e embarcávamos na viagem mais longa que algum dia fizemos. Descobrimos rapidamente que nunca mais íamos deixar planos de transportes para a última hora, mas também que éramos a companhia perfeita um para o outro.

Chegados a Madrid e, depois de nos recompormos da viagem, fomos a todos os pontos turísticos: o palácio, o Parque del Retiro, a casa de campo, o estádio do Santiago Bernabéu... e, claro, muitas compras na Gran Vía, ou não fosse esta viagem um verdadeiro “follow me to” onde ela vai puxando o namorado por entre os locais “óbvios de interesse” – o que poderia haver de mais turístico em Madrid do que um El Corte Inglés ou uma Blanco?

Também tivemos os nossos momentos de cultura, como os do Museu do Prado ou os do Museu Thyssen-bomenisza, onde participámos na nossa própria tour com fotografias e novas legendas para as pinturas expostas – sempre era uma maneira de provar aos amigos e familiares que tínhamos mesmo cumprido a loucura de ir para Madrid e que fomos conhecer mais do que as lojas.

Como quaisquer crianças que cresceram a ver o Cartoon Network, fomos ao parque da Looney Tunes. O êxtase foi tanto que nos esquecemos de ir buscar as malas que deixámos na estação de comboios e quando nos lembramos de ir a correr buscá-las, já estavam a começar a ser postas numa secção para armazenamento com multa.

Falinhas mansas à parte e muitos “la bagaje” em todas as frases, conseguimos reaver as malas e ainda deixar alguns funcionários a rirem-se do nosso ar ensopado das atracções e completamente estafados da corrida em contra relógio. Na mesma noite voltámos para Lisboa. Nas 8 horas disponíveis para meditação jurámos planear as próximas viagens com mais tempo e descobrir mais palavras da língua do local a visitar antes de lá chegarmos... no entanto, “nem todos os que vagueiam estão perdidos”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.