Sempre que o sol dá o ar da sua graça, os londrinos ocupam os relvados e jardins da cidade, ansiosos por um pedaço de natureza campestre no centro da agitada metrópole. Aqui apresentamos um guia de alguns dos melhores espaços verdes da capital britânica.

Hyde Park e Kensington Gardens

O Hyde Park e os Kensington Gardens são uma presença constante em todos os guias sobre Londres. Mas existe sempre uma boa razão por trás de cada cliché! O Hyde Park é o maior dos quatro parques que formam um contínuo, compreendendo também os Jardins de Kensington, o Green Park e Saint James’ Park. Aberto ao público no início do século XVIII, tornou-se rapidamente uma das áreas mais populares da cidade, onde os londrinos da classe alta se passeavam. No entanto, era também popular entre os duelistas e ladrões, cuja presença assídua conduziu à instalação de iluminação pública numa das suas principais avenidas, denominada Rotten Row, que se tornou a primeira na via pública em Inglaterra a dispor de iluminação. Em 1730, a rainha Carolina de Inglaterra ordenou o represamento do rio Westbourne que permitiu a criação do Serpentine, um lago artificial que é hoje um dos marcos mais reconhecidos do parque, utilizado para passeios de barco e natação. Um favorito entre os fãs de desporto e entre aqueles que procuram um vislumbre campestre no coração da cidade, o parque é também um local de manifestações políticas. No Speakers’ Corner é possível discursar publicamente desde 1872. Muitos oradores, e até mesmo alguns excêntricos, recorrem a este espaço para aí partilharem as suas ideias e opiniões sobre assuntos da atualidade, apelando à atenção dos transeuntes. A oeste do Hyde Park, encontram-se os Jardins de Kensington, em tempos os jardins privados do Palácio com o mesmo nome. Abertos ao público em 1841, com avenidas ladeadas de frondosas árvores e canteiros de flores, nos jardins é possível encontrar a famosa estátua de Peter Pan e um parque infantil, criado em memória da Princesa Diana de Gales, que irá encantar crianças e adultos.

Saint James’ Park

Delimitado pelo Palácio de Buckingham, pelo The Mall e pelo edifício do Horse Guards, o Saint James’ Park situa-se no coração da cidade de Londres, destacando-o como uma opção de passeio perfeita, em qualquer circunstância. Devido à sua localização, os monumentos da cidade espreitam por entre as árvores, convidando à descoberta da capital britânica. Durante o verão, os londrinos ocupam os jardins, onde desfrutam do bom tempo, optando por um piquenique, tardes de leitura, banhos de sol ou apenas uma breve pausa para um almoço ao ar-livre. No entanto, se pensa que durante o inverno o jardim fica vazio, aguardando que os londrinos abandonem os seus refúgios de hibernação, engana-se redondamente. Os jardins estão sempre impecavelmente conservados, com os seus canteiros de flores e relvados bem cuidados, destacando-se sempre como o lugar ideal para relaxar, fazer uma caminhada, ou mesmo uma corrida, em qualquer altura do ano. No centro do parque existe um pequeno lago que é o lar de várias espécies de patos, cisnes e os, não tão comuns, pelicanos.

Victoria Embankment Gardens

Os Victoria Embankment Gardens são um daqueles segredos escondidos, apesar da sua localização central no coração da cidade. Localizados na margem norte do rio Tamisa, fazem parte do conjunto de espaços verdes que se estendem pelo Victoria Embankment. A construção desta área replica os cais parisienses, que circulam paralelos à estrada e ao rio, destacando-se como um dos melhores projetos públicos do seu tempo. Os amplos relvados convidam a um almoço rápido sob o sol, um piquenique ou uma tarde ensolarada à beira do rio, entre canteiros de flores e estátuas. Este jardim tornou-se um espaço de homenagem popular, onde abundam os memoriais dedicados a várias figuras célebres, incluindo John Stuart Mill, Robert Burns e William Howard Forster. Durante o verão, o coreto apresenta um programa de eventos, fazendo deste o local perfeito para desfrutar de um espetáculo de música ao ar-livre.

Sky Garden

Este não é um jardim tradicional, mas é, mesmo assim, imperdível! Localizado no topo do edifício 20 Fenchurch Street, no coração do distrito financeiro, é o jardim público de Londres localizado a maior altitude. Apelidado de Walkie-Talkie devido à sua forma distintiva, oferece uma vista panorâmica de 360º sobre a cidade de Londres. Os visitantes podem passear pelos jardins, pelos terraços de observação e até um espaço ao ar-livre, sempre com Londres a seus pés. A entrada para o Sky Garden é gratuita, mas as visitas devem ser reservadas online com antecedência.

Regent’s Park

Destacando-se como um dos mais belos Parques Reais, o Regent’s Park foi projetado pelo renomado arquiteto John Nash em 1811. O parque, de 200 hectares, tem uma forma circular e é ladeado por propriedades extraordinárias. Conhecido pelos seus perfumados jardins de rosas, possui a maior coleção de rosas de Londres, com aproximadamente 12.000 espécimes, incluindo também um lago com uma pequena ponte e uma cascata em estilo japonês. O parque abriga um teatro a céu-aberto, onde durante os meses de verão poderá assistir a espetáculos teatrais. No espaço aberto localizado na parte norte do parque, encontra-se a maior área destinada à prática de desporto ao ar-livre de Londres, com espaços direcionados para as mais diversas modalidades, entre elas futebol, softball, rugby, e até mesmo um campo de cricket, lado a lado com o Jardim Zoológico de Londres.

Primrose Hill

Vizinho de Regent’s Park, Primrose Hill é um frondoso subúrbio de Londres, reconhecido pelo seu encanto imbatível e belas vistas sobre a cidade. Apesar de estar localizado no limite do centro da cidade, tem aquela atmosfera de uma pequena aldeia que, desde a década de 1960, tem atraído vários moradores proeminentes. De um começo sombrio e industrial para uma área residencial exclusiva, as áreas verdes de Primrose Hill são o lugar perfeito para relaxar e desfrutar do ambiente campestre com a cidade no horizonte. É também um local preferido pelos locais para assistirem aos famosos fogos de artifício da véspera de Ano Novo. Aqueles que não conseguiram obter um bilhete, reúnem-se neste local montanhoso, onde, mesmo de longe, é possível assistir ao espetáculo, sem as limitações impostas pela multidão.

Battersea Park

O Battersea Park é um parque vitoriano de 80 hectares, situado na margem sul do rio Tamisa. Até meados do século XIX, o Battersea Park era apenas uma área de pântanos e campos, tendo sido convertida em parque público em 1858, após a conclusão da ponte de Chelsea, uma ponte pênsil que liga ambas as margens. Cruzar essa ponte é uma experiência em si, com um vasto mar de verde em frente e a silhueta da Power Station no horizonte. Com uma vista privilegiada sobre o rio Tamisa, este parque oferece belas áreas verdes, lagos destinados a passeios de barco e uma miríade de vida selvagem. Utilizado para atividades desportivas, o parque recebeu o primeiro jogo de futebol jogado sob as regras da Associação de Futebol britânica em 1864. O Millennium Arena perpetua essa herança, incluindo várias instalações desportivas. As crianças não foram esquecidas: há um parque de aventura e um zoo especialmente para elas. The Pump House Gallery faz deste um destino perfeito para os amantes da arte, com as suas múltiplas exposições regulares e esculturas dispersas pelos campos.

Victoria Park

Este amplo parque está localizado no bairro londrino de Tower Hamlets, estendendo-se até ao East End da cidade. O parque alberga vários edifícios históricos, tais como uma fonte de água potável que data de 1862, jardins decorativos e vastos relvados. Ainda pouco conhecido pelos turistas, é um favorito entre os locais pelos seus canais, lagoas e campos desportivos. Há verdadeiramente algo para todos, crianças incluídas! Em tempos conhecido como o "Parque do Povo", foi recentemente utilizado como local de concertos, famoso pelos seus festivais de música ao ar-livre. À semelhança do Speakers’ Corner no Hyde Park, existe também uma tradição de discurso público no Victoria Park, que foi recuperada nos últimos anos, destacando-se ainda como um local popular para a realização de eventos políticos.

London Fields

Localizado em Hackney, no leste de Londres, este pequeno parque fica lotado em dias de sol. Especialmente popular entre os jovens, atraídos pela atmosfera alternativa e eclética deste bairro londrino, os espaçosos relvados e sombras proporcionadas pelas frondosas árvores são o lugar perfeito para desfrutar da natureza e do bom tempo. Próximo ao London Fields Park tem lugar, todos os sábados, o Broadway Market, um mercado de rua que vende deliciosas iguarias! Faça como os locais: compre aí o seu almoço e depois sente-se na relva, enquanto desfruta da sua refeição. Aos domingos, têm lugar churrascos e eventos de música ao vivo.

Greenwich Park

Sendo o mais antigo de todos os Parques Reais, o Greenwich Park integra a Lista de Património Mundial, a par dos complexos do Old Royal Observatory, Museu Marítimo Nacional e da linha que assinala o Meridiano de Greenwich. É o cenário perfeito para um piquenique (afinal de contas, não é todos os dias que pode fazer um piquenique num local reconhecido como Património Mundial), uma corrida, passeios de barco ou uma caminhada, enquanto desfruta da atmosfera desta zona da cidade, perfeita em qualquer época do ano. No entanto, a principal atração é definitivamente a vista. Beirando o rio Tamisa, o parque oferece uma vista inigualável da cidade, de Canary Wharf até à Catedral de São Paulo.

Cemitério de Highgate

A zona de Highgate foi em tempos um refúgio as classes elevadas, preservando até hoje uma essência rural, protegida da extensão urbana em seu redor. O Cemitério de Highgate, por sua vez, é especialmente reconhecido pela sua arquitetura funerária, acolhendo magníficos monumentos e recantos verdes, numa atmosfera mágica que atrai moradores e turistas. No coração do espaço foram criados a Avenida Egípcia e o Círculo do Líbano, áreas de sepultura de excepcional importância arquitectónica, a par de edifícios vitorianos, capelas e catacumbas. Aqui é possível encontrar o túmulo do escritor vitoriano George Eliot, assim como a sepultura de Karl Marx, entre outros ocupantes ilustres. São disponibilizadas visitas guiadas ao longo de todo o ano, que prometem revelar os segredos e mistérios deste espaço.

Hampstead Heath

Localizado numa zona elevada, no norte da metrópole, Hampstead evoca o passado georgiano da cidade, com as suas casas e mansões perfeitamente preservadas. Tem sido, desde sempre, uma área residencial popular, que atraiu escritores e artistas em busca de um ambiente rural a poucos quilómetros de distância da capital. Entre as colinas de Hampstead e Highgate, estão os espaços abertos do Hampstead Heath, um verdadeiro refúgio campestre. Lá é possível encontrar prados extensos e lagos para nadar e pescar, um Lido e belas vistas sobre a cidade. Na fronteira norte do parque, encontra-se Kenwood House, uma propriedade magnífica, remodelada no século XVIII, que acolhe concertos de música clássica durante os meses de verão.

Holland Park

Este pequeno parque é mais íntimo do que os grandes Parques Reais. Gozando de uma reputação de elegância, esta zona da cidade é famosa pelas suas amplas casas vitorianas. O parque, por sua vez, foi construído nos antigos terrenos de Cope Castle, uma grande mansão jacobina. Apesar de severamente danificada durante a Segunda Guerra Mundial, uma ala foi restaurada e convertida num albergue da juventude, enquanto a parte restante do terraço é atualmente usada como pano de fundo para as encenações de teatro ao ar-livre e concertos de música clássica que preenchem os dias de verão no parque. O Holland Park inclui amplas áreas de floresta, instalações desportivas e caminhos pedestres. Dentro do parque é possível visitar os belos Kyoto Gardens, um jardim japonês doado pela Câmara de Comércio de Kyoto em 1991, que inclui uma cascata, carpas e áreas ajardinadas bem cuidadas.

Kew Gardens

Os Kew Gardens acolhem a maior coleção de botânica do mundo, dispersa pelos 131 hectares que compõem o complexo. Os jardins são uma das atrações mais visitadas em Inglaterra, integrando a Lista de Património Mundial da UNESCO desde 2003. Estendendo-se ao longo da margem do rio Tamisa, as suas muitas estufas características irão mantê-lo ocupado durante várias horas, enquanto explora a vasta coleção de botânica, enriquecida desde a sua criação em 1759. No entanto, é essencialmente um local ideal para relaxar e desfrutar deste histórico jardim, passeando ao longo do lago, repleto de flores de nenúfar, ou visitando as galerias de arte.

Crystal Palace Park

Este parque dispõe de ótimas vistas e amplos espaços, capazes de entreter visitantes de todas as idades. Aqui esteve em tempos sediado o Palácio de Cristal, uma belíssima estrutura de ferro forjado e vidro erigida em 1851 no Hyde Park, aquando da Grande Exposição londrina, tendo sido instalada neste parque pouco depois, mas que acabou destruída por um incêndio. Aqui é possível encontrar o maior labirinto de Londres, uma plataforma destinada a acolher concertos beirando o lago, parques infantis e uma quinta didática, destinada especialmente a crianças. O parque é também conhecido pelas esculturas de dinossauros em tamanho-real, criadas em 1852 pelo escultor e especialista em fósseis Benjamin Waterhouse-Hawkins e pelo fundador do Museu de História Natural da cidade, Richard Owen. Apreciados por visitantes de todas as idades ao longo de mais de um século, estas esculturas foram as primeiras alguma vez concebidas em todo o mundo. O parque aloja também no seus espaços o Centro Nacional de Desportos, que recebe eventos de atletismo internacionais, estando também aberto à comunidade.

Richmond Park

Localizado a apenas 30 minutos do centro de Londres, no momento em que os visitantes transpõem os portões de Richmond Park, são inundados pela sensação de que a cidade fica agora muito distante, encontrando-se em pleno meio rural. Originalmente criado como um reduto de caça de veados, o Richmond Park é agora uma área nacional de conservação de enorme relevância científica, mas também um espaço no qual os visitantes podem usufruir de um contato próximo com a natureza. No parque vivem mais de 600 veados que circulam livremente pelo parque, destacando-se como uma das suas principais atrações. O Richmond Park é também conhecido por Isabella Plantation, um jardim criado em 1830. Que dispõe de uma coleção de azáleas, camélias e rododendros, que circundam as várias lagoas e riachos. Situado no ponto mais alto do Richmond Park, com vistas espetaculares sobre o Vale do Tamisa, Windsor e o condado de Surrey, encontra-se Pembroke Lodge. Esta mansão georgiana é o cenário perfeito para um chá das cinco, com vistas fabulosas sobre parque.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.