Nem todos se recordam, mas Montemor-o-Novo está ligado a momentos decisivos da história portuguesa. Afinal, foi nestas colinas do Alentejo, que o Rei D. Manuel incumbiu Vasco da Gama da expedição que acabou por descobrir o caminho marítimo para a Índia e foi também destas terras que saiu a carta de D. Dinis a pedir ao Papa autorização para fundar a primeira universidade portuguesa —  dois factos determinantes para a evolução da nação.

Foi o rei D. Sancho que mandou povoar Montemor-o-Novo e proteger a terra com fortes e extensas muralhas. Afinal no inicio do século XIII esta era uma região de fronteira, localizada bem em frente do território ainda ocupado pelos mouros. 

Durante a Guerra da Restauração portuguesa o Castelo de Montemor foi a primeira proteção contra o Reino de Castela e desempenhou igualmente um papel importante contra as Invasões Francesas de 1808. 

As ameaças, felizmente, desapareceram há muito, mas as muralhas da cidadela e o castelo ainda cá estão para nos lembrar das batalhas passadas. Agora, esvaziadas da sua função defensiva, converteram-se nas maiores atrações da cidade e a verdade é que, mesmo em ruínas, ainda impressionam.

Por isso, começar uma visita a Montemor-o-Novo pelo seu Castelo faz todo o sentido.

O recinto da antiga cidadela é grande e são vários os elementos interessantes: a Porta da Vila que nos dá as boas-vindas; o brasão em estilo manuelino da Casa da Guarda; a Torre do Relógio que tem uma vista privilegiada  sobre as ruínas da cidadela do século III, antigo Paço dos Alcaides; a Igreja de Santiago (onde está instalado o Centro Interpretativo do Castelo); a Torre da Má Hora, a Torre e Porta do Anjo ou do Bispo; um passadiço que permite observar em cima as Ruínas da Antiga Cadeia ou Paços do Concelho; a Porta de Santiago, a Igreja de S. João Batista do Castelo; o Convento da Saudação; o Matadouro Mourisco/Cisterna e as Ruínas da Igreja de Santa Maria do Bispo.

Montemor-o-Novo
créditos: The Travellight World

Descendo a colina do castelo em direção à vila, passamos pelas ruínas da Ermida de São Vicente e pelo antigo Convento de São João Deus, que atualmente é Biblioteca Municipal Almeida Faria.

Um pouco mais à frente encontramos o Jardim Público e depois o Largo dos Paços do Concelho onde se destaca o Chafariz de Nossa Senhora da Conceição, com uma inscrição que data de 1646; o Chafariz do Besugo e a Pedra Memorial romano-visigótica considerada Monumento Nacional de Portugal.

O portal manuelino da Igreja da Misericórdia também merece atenção assim como a Igreja do Calvário, onde existe uma sacristia revestida com belos azulejos.

Uma visita ao Museu de Arqueologia de Montemor-o-Novo, outrora Convento de São Domingos é a melhor forma de terminar um passeio pela cidade, conhecendo um pouco mais sobre a sua história e importância. 

Montemor-o-Novo
créditos: The Travellight World

O Restaurante Raiz & Tradição é um ótimo lugar para almoçar e se deliciar com um ensopado de borrego ou outro prato da tradicional gastronomia alentejana. Quem gosta de petiscos para partilhar também não fica desapontado. 

Quem têm crianças poderá visitar ainda o Monte Selvagem, um parque natural que abriga mais de 300 animais de 70 espécies diferentes, incluindo zebras, lamas e cangurus.

Se quiser passar uns dias na região e aproveitar com conforto, toda a paz e tranquilidade do campo, hospede-se no Hotel Sleep & Nature.

Para mais inspiração e ideias para passeios, férias e fins de semana em Portugal e no mundo, espreitem o The Travellight World e minha página de Instagram

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.