Arquitetura imponente, tradição musical, impressionantes museus... Durante sete séculos, Viena foi capital da Casa de Habsburgo e manteve o seu papel de relevo ao longo da história nos Impérios Austríaco e Austro-Húngaro.

Palácio Hofburg viena
créditos: Who Trips

Ocupada pelas tropas de Napoleão e bombardeada pelos Aliados em consequência da anexação da Áustria pela Alemanha nazi na II Guerra Mundial, a tudo a cidade sobreviveu, reconstruiu-se e renovou-se.

viena
créditos: Who Trips

Ao imaginário da cidade, a que obras de nomes como Mozart, Beethoven, Strauss, Schiele, Oppenheimer, Klimt, Musil, Rilke ou Freud estão ligadas, somam-se hoje outras referências de igual peso fornecidas pela estatística: Viena é uma das cidades mais ricas do mundo e com melhor qualidade de vida.

viena
créditos: Who Trips

E basta passear pela cidade para confirmar esses dados. Viena é ampla, cuidada, majestosa, sofisticada, e tem belos espaços verdes, transportes eficientes, abundante oferta cultural e muitas opções gastronómicas. Nesta última, destaque para a doçaria e a sua tradição pasteleira de renome.

viena
créditos: Who Trips

É conhecida a paixão vienense pelos cafés. E no célebre e imponente Café Sacher (Hotel Sacher) encontramos a não menos celebrada Sachertorte. Consta que a iguaria – bolo de chocolate com recheio de compota de alperce, cobertura de chocolate amargo e acompanhado de chantilly – era a favorita do Imperador Franz Joseph.

sachertorte viena
créditos: Who Trips

Com pergaminhos desde 1832, o elegante espaço oferece não apenas a famosa torta – para comer no local ou em embalagens para levar –, como uma variada oferta de doçaria, o tradicional chocolate quente e ainda refeições ligeiras. Tudo isso num ambiente requintado e cheio de cor. Quanto à torta, recomenda-se em pequenas doses. Saborosa sem dúvida, mas um pouco enjoativa após várias garfadas...

Se não for amante de chocolate, mas também não um inimigo declarado do açúcar (claro que não precisa abusar...), há muito por onde escolher na matéria pela cidade. É o caso da conhecida Apfelstrudel, tarte de massa folhada com recheio de maçã, passas e canela (um must no Café Residenz, no Palácio Schoenbrunn). Ou de outra favorita de Franz Joseph e que inclusive deve parte do seu nome ao dito: Kaisershmarrn, uma espécie de panqueca de massa alta e macia, servida em pedaços, recheada com passas e frutos e acompanhada de compota, normalmente de ameixa.

Apfelstrudel  viena
créditos: Who Trips

Igualmente populares são o Salzburger Nockerl um delicado suflê com travo a baunilha, originário de Salzburgo, como o nome indica, servido quente e que pode constituir uma refeição (o do restaurante Gelbmanns Gaststube, na Wilhelminenstrasse, tem fama), e os Marillenknoedel, bolinhos de massa cozida com recheio de alperce, que podem ser acompanhados com calda, chantilly e raspas de chocolate. Grande parte da pastelaria austríaca inclui frutos e/ou chantilly. Apenas provámos esta deliciosa versão doce e tradicional de Knoedel. Mas o Knoedel Manufaktur (Josefstaedter Strasse), restaurante especializado nestes bolinhos, oferece diferentes variedades de recheio e versões salgadas.

Para os apreciadores de cerveja, nos intervalos entre as muitas caminhadas e visitas, a escolha é também variada e há bares e espaços especializados em cerveja à pressão, como o Beaver Brewing Company (na Liechtensteinstrasse), de produtores locais.

Hofburg viena
créditos: Who Trips

Puro lazer

Para além de palmilhar as belas ruas, jardins e parques da cidade e deixar-se tentar pelas montras das luxuosas lojas que povoam a Graben – famosa e sempre concorrida artéria pedestre e comercial –, neste verão, o visitante pode aliviar-se de canseiras e literalmente espraiar-se na Copa Beach (antes designada Copa Cagrana), uma faixa de areia com bares, quiosques de comes e bebes, ecrã gigante e muita animação junto à Ponte Imperial (Reichsbruecke).

Avenida Graben viena
créditos: Who Trips

Se for em agosto, aproveite ainda para desfrutar de eventos do programa do Calle Libre Festival for Urban Aesthetics, entre os dias 3 e 10. Dedicado à arte urbana nas suas diferentes manifestações, a edição deste ano tem por tema a dualidade, de complementares ou opostos.

Wiener Riesenrad viena
créditos: Who Trips

Ao ar livre, não deixe de dar uma escapada ao Prater, o parque de diversões em Leopoldstadt com a conhecida Wiener Riesenrad, uma roda-gigante de 64,75 metros de altura, que foi a mais alta do mundo por mais de seis décadas até ser destronada nos anos 1980. A entrada é gratuita com o Viena Pass; se não o tiver é recomendável adquirir os bilhetes online para evitar as filas. A roda funciona das 9 da manhã até à meia-noite no verão e a vista é soberba e inesquecível.

E se em meio a tantas opções de explorar esta magnífica cidade lhe faltarem pernas, nada como apanhar um táxi sem pressas.  Viaje no tempo e apanhe um fiacre (Fiaker).

viena
créditos: Who Trips

Parados junto à Ópera, ao Palácio Imperial e à Catedral, com cocheiros vestidos a preceito e garbosos cavalos, estes táxis continuam a manter a tradição de séculos, hoje sobretudo ao serviço de cerimónias de casamento e turistas. Os táxis do século XVII têm a sua história contada na Fiakerhaus, um museu fundado num edifício que pertenceu à classe profissional que nos nossos dias, tal como Viena, reinventou-se e orgulha-se de dar a conhecer, com saberes e traquejo de guia, a intemporal e pujante capital austríaca.

Obrigatórios ou quase

Começámos por falar nas “recompensas” entre as muitas excursões e incursões pela capital austríaca e chegou a hora de mencionarmos estas últimas. Decerto já ouviu falar da “saison” dos esplendorosos bailes de Viena, que decorrem em força entre janeiro e março, com traje de gala, orquestra e ambiente a condizer. Ou da beleza do Danúbio, que inspirou Johann Strauss. Hoje o rio continua a ser apreciado de diferentes maneiras.

viena
créditos: Who Trips

O Danúbio pode ser desfrutado, percorrendo a pé ou de bicicleta as suas margens, ou, por exemplo, num passeio de barco com direito a jantar e um concerto com obras de Mozart e Strauss na histórica Orangerie do imperial Palácio Schoenbrunn, mandada construir na segunda metade no século XVIII pela imperatriz Wilhelmine Amalie. Um misto de estufa para a sua coleção de plantas cítricas e jardim de inverno para eventos festivos da corte, um dos quais teve o próprio Mozart e o antagonista Salieri como intérpretes e protagonistas.

Karlskirche
créditos: Who Trips

Mas no capítulo da arquitetura imperial há muito para ver. Da magnífica Karlskirche, igreja erguida para celebrar o fim da última epidemia de peste em Viena, construída entre 1716 e 1737, e que veio a tornar-se um ícone de Viena, ao incontornável e grandioso Hofburg, palácio imperial.

Hofburg viena
créditos: Who Trips

Residência dos Habsburgo durante mais de seis séculos, impressiona pela sua dimensão e património. Aqui sentimos o peso e a herança desta dinastia.

Hofburg viena
créditos: Who Trips

Presentemente, o gigantesco complexo alberga a Presidência da República e alguns ministérios. Mas um museu dedicado à lendária imperatriz Sissi, o tesouro imperial, a capela imperial e os apartamentos privados da família imperial podem ser visitados, bem como a magnífica Biblioteca Nacional Austríaca.

MuseumsQuartier viena
créditos: Who Trips

Percorrer os inúmeros locais de interesse de Viena é tarefa de monta. Com tempo limitado, o desafio é escolher. Um dos maiores complexos culturais do mundo, o MuseumsQuartier abriu ao público em 2001, englobando duas dezenas de edifícios e diferentes instituições culturais, diferentes não apenas no conteúdo mas também na arquitetura – o antigo e o moderno coabitam no espaço dos antigos estábulos imperiais, na tradição de uma cidade que sempre soube renovar-se. Só aqui, o visitante pode perder-se...

Museu MOderner Kunst viena
créditos: Who Trips

Porém, a lista soma e segue. Stephansdom (catedral de Santo Estevão), catedral com o maior sino do país, o Kunsthistorisches Museum (Museu de Belas Artes), a Hunderwasserhaus, surpreendente emblema da arquitetura moderna vienense...

Catedral de Santo Estevão
créditos: Who Trips

E ir a Viena e não ir à ópera é quase imperdoável. Pela Staatsoper passaram nomes Gustav Mahler, Richard Strauss, Herbert von Karajan ou Claudio Abbado.

Volkstheater viena
créditos: Who Trips

Até final de agosto, o cartaz é preenchido com a Wiener Mozart Orchester e obras do compositor, regressando a programação de ópera em setembro.

E se ainda sobrar tempo, prove um Schokozauber no concorrido Café Central ou dê um salto ao Café Frauenhuber, o mais antigo da cidade. Há sempre mais uma iguaria a descobrir...

A TAP tem voos diários para a capital austríaca a partir de Lisboa. Reserve já o seu lugar e vá conhecer Viena.

Viena desde 40€